Sl 73

From Biblia: Os Quatro Evangelhos e os Salmos
Jump to: navigation, search

73(72)  Retribuição do mal e do bem

 

1 Salmo. De Asaf [1].


Como Deus é bom para Israel[2],

para os que têm coração puro!

2 Ai de mim! Os meus pés estavam quase a resvalar,

por pouco os meus passos caíam em falso.

3 Pois senti inveja dos ímpios,

ao ver a prosperidade dos malfeitores.

4 Para eles não há dissabores;

o seu corpo é sadio e bem nutrido.

5 Fadigas humanas não as têm

nem são atormentados como os outros homens.

6 Por isso, o seu colar é de orgulho,

e o seu manto de adorno é a violência.

7 Do corpo obeso lhes sai a iniquidade[3];

pelo seu coração perpassam ideias loucas.

8 Zombam e falam com malícia;

com altivez, fazem ameaças de opressão.

9 Contra o céu abrem a sua boca

e a sua língua percorre a terra.


10 Por isso o seu povo se volta para eles

e sorvem as suas palavras como se fosse água[4].

11 E dizem: «Como é possível que Deus saiba disto

e o Altíssimo tenha conhecimento?».

12 São assim os malfeitores,

sempre tranquilos e a amontoar riquezas.

13 De nada me serve ter o coração puro

e as minhas mãos limpas e inocentes.

14 Terei de me atormentar durante todo o dia

e sentir-me castigado todas as manhãs?


15 Se eu pensasse: «Vou falar como eles»,

estaria a atraiçoar a geração dos teus filhos.

16 Refleti melhor para entender estas coisas,

mas era muito penoso aos meus olhos.

17 Até que entrei no santuário de Deus[5];

compreendo agora o fim que os espera.

18 Na verdade, Tu os colocas em plano escorregadio;

fizeste-os cair em ruínas.

19 Num momento, ficam na desolação

e acabam transidos de pavor!

20 Como quando se desperta de um sonho, Senhor,

ao acordar desprezarás a sua imagem[6].


21 Outrora, o meu coração andava exasperado,

e eu consumia-me nas minhas entranhas.

22 Como insensato, eu nada compreendia;

era como um animal[7] na tua presença.

23 No entanto, estive sempre contigo,

e Tu seguraste a minha mão direita.

24 Guiaste-me com o teu conselho[8]

e, por fim, hás de receber-me na glória.

25 Quem mais tenho eu no céu?

E contigo nada mais desejo na terra.

26 Se o meu corpo e o meu coração desfalecem,

Deus é o rochedo para o meu coração.
Deus é a minha herança para sempre.

27 Aqueles que estão longe de ti perecerão;

Tu exterminas os que te são infiéis[9].

28 Para mim, felicidade é estar próximo de Deus[10].

Coloquei no Senhor DEUS a minha confiança,
para proclamar todas as tuas obras[11].



  1. Asaf foi o chefe de um dos grupos da música do templo (1Cr 16,5-7.37; 25,1s). O seu nome aparece no título da série de salmos entre 73 e 83.
  2. Este salmo tem as caraterísticas de uma meditação sapiencial. Trata de questões candentes do comportamento humano, particularmente a questão do prémio e do castigo, que nem sempre parecem acontecer da maneira considerada mais justa. A solução que se propõe é a de reforçar a confiança em Deus (Jr 12,1-6; Hab 1,13; Ml 3,15). A posição de fundo que aqui aparece é, no geral, mais confiante do que aquela que frequentemente transparece no livro de Job.
  3. Aproveitando a sugestão implícita na tradução grega dos LXX, parece mais provável ler ‘wnmw, a sua iniquidade, em vez de ‘ynmw, os seus olhos.
  4. Ou: Por isso, estão sentados no alto / e a enchente não os atinge. Este v. levanta muitas dificuldades para uma tradução segura.
  5. O hebraico pode traduzir-se literalmente: os santuários de Deus, ou de deus ou de El, o chefe do panteão de Canaã. O que está em causa é saber se está em questão uma ida ao santuário de Deus em Jerusalém (e nesse caso o plural santuários justifica-se pela grandeza das construções) ou se se trata de uma ida a santuários pagãos que motivou a reflexão que vem a seguir.
  6. Ou: Tu os desprezarás na cidade dos fantasmas. Esta alternativa assenta na leitura do texto hebraico consonântico ṣlmm como um plural (ṣelamim – imagens ou fantasmas), significando com esta metáfora de cidade dos mortos, o mundo inferior, i.e., o Cheol. Esta alternativa possível de leitura oferece um interessante paralelo para o v. 24, segundo o qual aquele que é fiel será recebido por Deus na glória.
  7. O hebraico diz Behemot, que poderia sugerir a figura monstruosa das mitologias de criação. Neste contexto parece mais que o salmista compara a sua insensatez e incapacidade de compreender à de um animal (cf. Jb 40,15).
  8. Ou: Guiaste-me para o teu conselho. Entender aqui o termo ‘aşat como assembleia, reunião, conselho, como alguns veem no Sl 1,1, oferece um bom paralelo para a glória, no segundo hemistíquio.
  9. Lit.: aquele que se prostitui contra ti. Esta metáfora da infidelidade a Deus é frequente entre os profetas (cf. Os 1,2s).
  10. A imagem conclusiva que fica deste tratado de ética e de escatologia resume-se na fórmula final dos que ficam longe de Deus e daqueles que ficam perto dele.
  11. A tradução dos LXX, a Vg e a NVg acrescentam: às portas da filha de Sião, expressão que pode vir do Sl 9,15.



Salmos

1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11   12   13   14   15   16   17   18   19   20   21   22   23   24   25   26   27   28   29   30   31   32   33   34   35   36   37   38   39   40   41   42   43   44   45   46   47   48   49   50   51   52   53   54   55   56   57   58   59   60   61   62   63   64   65   66   67   68   69   70   71   72   73   74   75   76   77   78   79   80   81   82   83   84   85   86   87   88   89   90   91   92   93   94   95   96   97   98   99   100   101   102   103   104   105   106   107   108   109   110   111   112   113   114   115   116   117   118   119   120   121   122   123   124   125   126   127   128   129   130   131   132   133   134   135   136   137   138   139   140   141   142   143   144   145   146   147   148   149   150