Sl 69

From Biblia: Os Quatro Evangelhos e os Salmos
Jump to: navigation, search

69(68) Oração do justo aflito

 

1 Ao diretor. Pela melodia «Os lírios». De David.


2 Salva-me, ó Deus[1],

porque as águas me chegam até ao pescoço[2].

3 Estou a afundar-me num lamaçal profundo,

não tenho ponto de apoio.

Entrei em águas profundas,

e a corrente arrasta-me.

4 Estou esgotado de tanto gritar,

e a minha garganta está rouca;

consomem-se já os meus olhos

de tanto esperar o meu Deus.

5 São mais que os cabelos da minha cabeça

aqueles que injustamente me odeiam.

São poderosos os que me querem destruir,

os inimigos que mentem contra mim.

Terei eu então de restituir

aquilo que não roubei?


6 Ó Deus, Tu conheces a minha insensatez,

e as minhas faltas não te são ocultas.

7 Não sejam confundidos por minha causa

os que esperam em ti, Senhor, Senhor dos exércitos.

Que não fiquem envergonhados por minha causa

aqueles que te procuram, ó Deus de Israel.

8 Por causa de ti, tenho suportado insultos,

o meu rosto cobriu-se de vergonha.

9 Tornei-me estranho para os meus irmãos,

um estrangeiro para os filhos da minha mãe.

10 Pois a paixão pela tua casa me consome[3];

os insultos dos que te insultam caíram sobre mim.:

11 Mortifico a minha alma com jejuns,

e até isso provoca mais insultos contra mim.


12 Se me visto de luto,

sou para eles objeto de escárnio.

13 Murmuram contra mim, sentados à porta da cidade

e entoam cantigas contra mim, bebendo vinho.


14 Mas eu dirijo a ti a minha oração,

ó Senhor, no tempo favorável.

Responde-me, ó Deus, pela tua grande misericórdia,

pela fidelidade da tua salvação.

15 Retira-me do lodo, para que não me afunde!

Livra-me dos que me odeiam e das águas profundas!

16 Não me cubram as ondas, nem me engula o abismo;

que a boca do poço não se feche sobre mim.


17 Responde-me, Senhor, pois a tua misericórdia é bondosa;

volta-te para mim, pela tua grande compaixão.

18 Não escondas a tua face deste teu servo;

responde-me depressa, porque estou angustiado.

19 Aproxima-te da minha alma e liberta-a,

resgata-me, por causa dos meus inimigos.

20 Tu bem conheces o meu opróbrio,

a minha desilusão e vergonha;
tens bem presentes os que me perseguem.

21 O insulto despedaçou-me o coração até desfalecer:

esperei compaixão, mas não havia;
esperei por quem me confortasse e não encontrei.

22 Colocaram fel na minha comida;

e, quando tive sede, deram-me vinagre a beber.


23 Que a sua mesa seja para eles uma armadilha

e uma cilada para os seus amigos.

24 Que a vista se lhes escureça e não vejam,

e que os seus rins fraquejem sem cessar.

25 Descarrega sobre eles a tua indignação;

que o furor da tua ira os atinja.

26 Que o seu acampamento seja um deserto,

e não haja quem habite nas suas tendas.

27 Pois perseguem aqueles que Tu castigaste

e acrescentam o sofrimento daqueles que feriste.

28 Coloca mais culpa sobre a sua culpa;

e não tenham acesso à tua justiça.

29 Sejam riscados do livro dos vivos

e não sejam inscritos na lista dos justos.

30 Mas a mim, triste e aflito,

que a tua salvação, ó Deus, me restabeleça.


31 Louvarei, com cânticos, o nome de Deus

e proclamarei a sua grandeza como ação de graças.

32 Isso agradará mais a Deus que o sacrifício de um touro

ou de um novilho já com chifres e cascos.:

33 Que os humildes vejam; e se alegrem os que buscam a Deus.

Que o vosso coração recupere a vida!

34 Pois o Senhor escuta os necessitados

e não despreza o seu povo de prisioneiros.

35 Que o louvem os céus e a terra,

os mares e tudo quanto neles se movimenta.

36 Sim, Deus há de salvar Sião

e reconstruir as cidades de Judá.
Eles ali habitarão e tomarão posse dela.

37 Os filhos dos seus servos recebê-la-ão em herança,

e os que amam o seu nome hão de ali morar.



  1. Neste salmo individual de súplica, o salmista lamenta o sofrimento que tem de suportar por causa de Deus e pede-lhe proteção contra os inimigos, prometendo agradecer essa ajuda. As tonalidades sapienciais de meditação que aqui se encontram contêm conotações análogas a algumas passagens de Job. Tem igualmente semelhanças com o Sl 22. Tendo em conta a maneira como as releituras cristãs do messianismo valorizaram o sofrimento do justo, é natural verificar que este salmo foi muito apreciado por parte dos primeiros cristãos. Como em muitos outros salmos, verifica-se também aqui uma referência à restauração do povo, a servir de conclusão. Isto pode sugerir que a data de composição do salmo é posterior ao exílio ou também que o tema importante da restauração foi sendo introduzido como complemento e atualização em textos de oração de época anterior.
  2. As situações de grande ameaça e sofrimento são expressas com metáforas derivadas dos mitos do caos e do mar. Cf. Sl 12,5.
  3. Lit.: O ciúme da tua casa me consome. Antigos comentadores entendem aqui os ciúmes que os estrangeiros sentem do salmista por causa do santuário. O sentido de paixão como sentimento do próprio salmista é mais verosímil.



Salmos

1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11   12   13   14   15   16   17   18   19   20   21   22   23   24   25   26   27   28   29   30   31   32   33   34   35   36   37   38   39   40   41   42   43   44   45   46   47   48   49   50   51   52   53   54   55   56   57   58   59   60   61   62   63   64   65   66   67   68   69   70   71   72   73   74   75   76   77   78   79   80   81   82   83   84   85   86   87   88   89   90   91   92   93   94   95   96   97   98   99   100   101   102   103   104   105   106   107   108   109   110   111   112   113   114   115   116   117   118   119   120   121   122   123   124   125   126   127   128   129   130   131   132   133   134   135   136   137   138   139   140   141   142   143   144   145   146   147   148   149   150