Sl 107

From Biblia: Os Quatro Evangelhos e os Salmos
Jump to: navigation, search

107(106) Deus salva de todos os perigos

 

1 Dai graças ao Senhor, porque Ele é bom[1],

porque é eterna a sua misericórdia.

2 Que o digam os resgatados pelo Senhor[2],

os que Ele resgatou da mão do inimigo,

3 aqueles que Ele reuniu de entre as nações,

do Oriente e do Ocidente, do Norte e do mar a sul[3].


4 Andavam errantes pelo deserto e descampado[4],

sem encontrar o caminho de uma cidade onde habitar[5].

5 Andavam esfomeados e sedentos;

e o seu ânimo já lhes desfalecia.


6 Mas, na sua angústia, clamaram ao Senhor,

e Ele livrou-os das suas aflições.

7 Encaminhou-os por um caminho direito,

para chegarem a uma cidade onde habitar.


8 Que eles deem graças ao Senhor, pela sua misericórdia

e pelas suas maravilhas em favor dos humanos.

9 Pois Ele matou a sede aos sequiosos

e aos que tinham fome encheu de bens.


10 Eles jaziam na escuridão e nas trevas[6],

prisioneiros da aflição e dos ferros,

11 por se terem revoltado contra as ordens de Deus

e desprezado os desígnios do Altíssimo.

12 Abateu-lhes o coração com dificuldades;

tropeçavam e ninguém os socorria.

13 Mas, na sua angústia, clamaram ao Senhor,

e Ele salvou-os das suas aflições.

14 Fê-los sair das trevas e da escuridão

e despedaçou as suas cadeias.


15 Que eles deem graças ao Senhor, pela sua misericórdia

e pelas suas maravilhas em favor dos humanos.

16 Ele despedaçou as portas de bronze

e quebrou as barras de ferro!


17 Enfraquecidos pelos seus caminhos de pecado[7]

e aflitos por causa das suas culpas,

18 qualquer alimento lhes causava náuseas

e já chegavam às portas da morte.


19 Mas, na sua angústia, clamaram ao Senhor,

e Ele salvou-os das suas aflições.:

20 Deus enviou a sua palavra para os curar

e para os livrar das suas chagas[8].


21 Que eles deem graças ao Senhor, pela sua misericórdia

e pelas suas maravilhas em favor dos humanos.

22 Ofereçam sacrifícios de ação de graças

e anunciem as suas obras com júbilo.


23 Os que vão para o mar com os seus navios[9],

fazendo negócio pela imensidão das águas,

24 esses viram as obras do Senhor

e as suas maravilhas no alto mar.


25 Ele falou e ergueu-se um vento de tempestade

que levantou as ondas do mar.

26 Os marinheiros subiam até aos céus e desciam às profundezas,

com a alma desfeita pela desgraça;

27 rodavam e cambaleavam como ébrios

e toda a sua perícia se tornava inútil.


28 Mas, na sua angústia, clamaram ao Senhor,

e Ele tirou-os das suas aflições.

29 Transformou a tempestade em leve brisa,

e acalmaram-se as ondas do mar.

30 Eles alegram-se quando as ondas ficam calmas,

e Ele guia-os para o seu porto desejado.


31 Que eles deem graças ao Senhor pela sua misericórdia

e pelas suas maravilhas em favor dos humanos.

32 Que o exaltem na assembleia do povo[10]

e o louvem no conselho dos anciãos.


33 Ele transformou os rios em deserto

e as fontes de água em terra árida;

34 transformou a terra fértil em chão salgado,

pela maldade dos que nela habitavam;

35 mudou o deserto em lago de água

e a terra árida em nascentes de água,

36 para fazer habitar ali os famintos,

e eles estabelecerem uma cidade para habitar.


37 Semearam campos e plantaram vinhas

e tiveram uma colheita abundante.

38 Abençoou-os e cresceram em grande número

e não deixou que os seus rebanhos ficassem reduzidos.


39 Ficaram reduzidos e abatidos,

por causa da opressão, da maldade e da angústia.

40 Porém, aquele que derrama desprezo sobre os poderosos

e os faz vaguear pelo vazio, sem caminhos,

41 Ele mesmo levanta o pobre da angústia[11]

e multiplica as famílias como um rebanho.


42 Os íntegros veem isto e alegram-se,

e toda a maldade fica de boca fechada.

43 Aquele que for sábio guardará estas coisas

e todos compreenderão as misericórdias do Senhor.



  1. Este salmo de ação de graças aparece num contexto de solene ambiente litúrgico. Tal solenidade é percetível na dupla série de refrões (vv. 6,13,19,28; e 8,15,21,31). Celebra a providência de Deus para com os hebreus, quando se encontravam perdidos no deserto, cativos, enfermos e errantes. Segue-se um hino com traços messiânicos, que complementa a satisfação pelo passado com uma expetativa esperançosa para o futuro. Estas ressonâncias apontariam para uma ação de graças coletiva. É, no entanto, frequente vê-lo classificado como salmo individual de ação de graças. Na verdade, a separação entre o individual e o coletivo em matéria de ação de graças, como noutros temas, não é fácil de fazer nem parece ser de grande utilidade.
  2. Esta referência ao regresso de exilados parece enquadrar-se bem com o final do salmo anterior.
  3. Os grandes testemunhos da tradição textual (LXX, TM, Vg e mesmo NVg) insistem em manter a leitura: do Norte e do mar. As traduções insistem em declarar que a lógica dos quatro pontos cardeais aqui suposta sugere uma complementaridade entre Norte e Sul. Não parece que seja necessário corrigir o texto hebraico, pressupondo yamîn (direita) em vez de yam (mar). A referência aos pontos cardeais parece beneficiar da precisão com que a sua lógica se impõe para se permitir alguma variedade no uso dos termos. É o que acontece em Is 43,5s; 49,12. Daí a tradução: e do mar a sul.
  4. O primeiro quadro simbólico parece descrever o exílio como um deserto inóspito.
  5. Neste e no v. 7 a expressão hebraica ‘ir môchab poderia também ser traduzida por cidade habitada. De uma maneira ou de outra parece ser uma alusão a Jerusalém/Sião, cuja imagem fica tanto mais saliente quanto menos nomeada.
  6. O segundo quadro simbólico representa as trevas, que significam perigo, infelicidade e miséria (Is 9,2).
  7. O terceiro quadro simbólico mostra um estado de espírito deprimido que mais parece de agonia.
  8. Algumas traduções modernas interpretam: para os livrar do fosso (cova). Para tal precisam de fazer um correção desnecessária no hebraico. Desde sempre, as traduções entenderam que, segundo o paralelismo de curar, no primeiro hemistíquio se trataria de uma referência a doenças.
  9. O quarto quadro simbólico é o dos náufragos. Não sendo os israelitas muito experimentados em atividades de mar, elas eram bem conhecidas e tinham grande ressonância na cultura da região (Jn 1).
  10. A assembleia do povo era a ação litúrgica; o conselho dos anciãos era o espaço oficial da comunidade. Ambos os lugares são legítimos para a celebração do louvor a Deus pelos benefícios recordados.
  11. Ou: Ele mesmo protege o pobre no seu refúgio.



Salmos

1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11   12   13   14   15   16   17   18   19   20   21   22   23   24   25   26   27   28   29   30   31   32   33   34   35   36   37   38   39   40   41   42   43   44   45   46   47   48   49   50   51   52   53   54   55   56   57   58   59   60   61   62   63   64   65   66   67   68   69   70   71   72   73   74   75   76   77   78   79   80   81   82   83   84   85   86   87   88   89   90   91   92   93   94   95   96   97   98   99   100   101   102   103   104   105   106   107   108   109   110   111   112   113   114   115   116   117   118   119   120   121   122   123   124   125   126   127   128   129   130   131   132   133   134   135   136   137   138   139   140   141   142   143   144   145   146   147   148   149   150