Sl 55

From Biblia: Os Quatro Evangelhos e os Salmos
Jump to: navigation, search

55(54) Oração de um perseguido

 

1 Ao diretor. Com instrumentos de corda. Poema de David.


2 Dá ouvidos, ó Deus, à minha oração[1];

não te escondas perante a minha súplica.

3 Presta-me atenção e responde-me;

estou atormentado na minha angústia.

4 Perturbo-me com a voz do inimigo

e perante a opressão dos malfeitores.

Eles fazem cair a desgraça sobre mim

e perseguem-me com furor.

5 O coração aperta-se no meu peito,

e os terrores da morte caem sobre mim.

6 O medo e o tremor apoderam-se de mim;

o pavor cobre-me por completo.


7 E exclamo: «Quem me dera ter asas como a pomba;

poderia voar e encontrar abrigo».

8 Sim, fugiria para bem longe

e habitaria no deserto.Pausa

9 Apressava-me em buscar um refúgio para mim,

contra a fúria do vento e a tempestade.


10 Confunde-os, Senhor, divide as suas línguas[2],

pois vi muita violência e discórdia na cidade.

11 Dia e noite fazem ronda por cima das muralhas,

e dentro da cidade reina o crime e a intriga.

12 Dentro dela é só calamidades;

opressão e fraude não desaparecem das suas ruas.


13 Se um adversário me ofendesse, eu suportaria;

se um inimigo se erguesse contra mim,
eu escondia-me dele.

14 Mas não tu, um ser humano tal como eu,

meu amigo e confidente!

15 Nós que juntos partilhámos agradáveis segredos

e animados caminhámos para a casa de Deus!


16 Que a morte caia sobre eles,

e vivos desçam ao mundo inferior[3],
pois só maldades se alojam no seu interior.

17 Quanto a mim, dirijo a Deus o meu apelo;

e o Senhor me salvará.


18 À tarde, de manhã e ao meio dia,

eu lamento-me e suspiro;
e Ele escuta a minha voz.

19 Resgatou a minha alma, pondo-me em paz;

e aproximou-se de mim,
porque contra mim eles eram muitos[4].


20 Deus escuta-me e há de retribuir-lhes,

pois é Ele que reina desde o princípio.Pausa

Eles não dão sinais de emenda

nem têm temor de Deus.

21 Levantam a mão contra os próprios aliados

e violam a aliança que fizeram.

22 De boca são mais brandos que manteiga,

mas têm guerra no seu coração.

As suas palavras são mais suaves que o azeite;

mas, afinal, são espadas desembainhadas.

23 Entrega ao Senhor os teus cuidados e Ele te apoiará;

Ele jamais permite que o justo venha a sucumbir.

24 E Tu, ó Deus, hás de precipitá-los no abismo da perdição.

Gente de sangue e de mentira não vive metade dos seus dias.
Eu, porém, confio em ti.



  1. Neste salmo individual de súplica, com o desgosto que o aflige, o salmista sente vontade de fugir para o deserto. O sofrimento de que se queixa parece dever-se à traição de um amigo muito próximo, envolvido num ambiente de grandes desavenças na cidade. Para além de afirmar a sua confiança em Deus, não descura retirar as conclusões morais da experiência vivida. Podem perceber-se ressonâncias dos conflitos relatados em torno a David em 2Sm 15,6-15, com uma linguagem parecida à de Jr 6,6-15.
  2. Cf. Gn 11,1-9.
  3. Lit.: ao Cheol. O facto de descerem vivos ao Cheol significa um castigo mais drástico do que a própria morte, como no caso dos companheiros de Coré (Nm 16,31-32).
  4. Ou: Ele colocou em paz a minha alma; / resgatou-me dos muitos que me faziam guerra.



Salmos

1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11   12   13   14   15   16   17   18   19   20   21   22   23   24   25   26   27   28   29   30   31   32   33   34   35   36   37   38   39   40   41   42   43   44   45   46   47   48   49   50   51   52   53   54   55   56   57   58   59   60   61   62   63   64   65   66   67   68   69   70   71   72   73   74   75   76   77   78   79   80   81   82   83   84   85   86   87   88   89   90   91   92   93   94   95   96   97   98   99   100   101   102   103   104   105   106   107   108   109   110   111   112   113   114   115   116   117   118   119   120   121   122   123   124   125   126   127   128   129   130   131   132   133   134   135   136   137   138   139   140   141   142   143   144   145   146   147   148   149   150