Sl 29

From Biblia: Os Quatro Evangelhos e os Salmos
Jump to: navigation, search

29(28) Hino ao Senhor da natureza

 

1 Salmo. De David.


Prestai ao Senhor[1], filhos de Deus[2],

prestai ao Senhor glória e poder.

2 Prestai ao Senhor a glória do seu nome,

adorai o Senhor no átrio sagrado[3].

3 A voz do Senhor ecoa sobre as águas[4],

o Deus glorioso fez ressoar o trovão[5];
o Senhor está sobre as águas caudalosas[6].

4 A voz do Senhor é poderosa,

a voz do Senhor tem majestade.

5 A voz do Senhor derruba os cedros,

o Senhor derruba os cedros do Líbano.

6 Ele faz saltar o Líbano como um bezerro

e o Sírion[7] como um novilho.

7 A voz do Senhor projeta

labaredas de fogo.

8 A voz do Senhor faz tremer o deserto,

o Senhor faz tremer o deserto de Cadés[8].

9 A voz do Senhor dobra os carvalhos[9]

e desnuda as florestas.

E por todo o seu templo

ressoa um grito de glória.

10 O Senhor está no trono, acima do dilúvio[10],

o Senhor está no trono como rei para sempre.

11 O Senhor dá força ao seu povo,

o Senhor abençoa o seu povo na paz[11].



  1. Este salmo é um hino em que o louvor endereçado a Deus se fundamenta principalmente na maneira como ele personifica a glória e a força, a reverência e o medo que os fenómenos celestes e meteorológicos incutem nos humanos. É um sistema metafórico que marca a experiência das populações de Canaã, onde as trovoadas atemorizam, mas também são elas que anunciam a chegada da chuva e com ela a promessa de fertilidade. Além do nome do Senhor, o fio condutor do salmo é a palavra voz. Esta justifica-se pela importância do trovão neste contexto e pela associação que sugere para significar a voz divina, que governa o universo de forma eficaz até às profundezas da terra. A presença de Deus balança, de forma continuada, entre os domínios da totalidade cósmica e as realidades do quotidiano político.
  2. A expressão filhos de Deus nas culturas cananaicas poderia significar deuses, e há quem continue a traduzi-la desta maneira. A intensa tonalidade cananaica que este salmo apresenta pode dar alguma probabilidade a esta hipótese. Traduzida literalmente como filhos de Deus pode aplicar-se a seres superiores entendidos como situados acima do humano, por vezes algo semelhante a anjos (Gn 6,2.4; Jb 1,6; 2,1; 38,7; Sl 89,7). A expressão é também usada para significar personagens a exercer funções com algum destaque na comunidade como são os levitas, cujas funções justificam que se apresentem revestidos de ornamentos sagrados (1Cr 16,29; 2Cr 20,21). O contexto do salmo parece aludir a funções litúrgicas solenes dos levitas (v. 2).
  3. Lit.: no esplendor de santidade. Poderia entender-se como o espaço do santuário, como entende a tradução dos LXX; poderia também entender-se como descrevendo o momento de uma manifestação esplendorosa de Deus.
  4. Ou: contra as águas. O teor geral do salmo sugere um confronto de Deus com algumas realidades transcendentes da natureza; este contexto poderia justificar a tradução contra. Com esta tradução mais se explicitariam as referências à literatura cananaica anterior à Bíblia sobre a vitória de Baal contra o mar.
  5. A voz de Deus, que é a metáfora mais usada neste salmo para identificar Deus, está representada pelo trovão. Por entre a variedade de realidades da natureza, é ele que mais diretamente marca a presença e a intervenção de Deus.
  6. As águas caudalosas podem ser uma alusão ao tema do dilúvio, que na linguagem bíblica assume a ressonância das águas do caos dominado por Deus com o seu poder.
  7. Sírion era o nome que os cananeus e fenícios davam ao monte Hermon (Dt 3,9). Este v. apresenta em paralelismo os montes do Líbano e do Anti-Líbano.
  8. O discurso cultural cananaico e seguidamente o bíblico tendem a sublinhar algum paralelismo entre as águas do oceano e o deserto, para representar as forças de caos que oferecem resistência à intervenção dominadora de Deus.
  9. O paralelismo do v. sugere esta tradução. Segundo a vocalização massorética, poderia ser: faz abortar as gazelas.
  10. Para além do pressuposto no relato do dilúvio (Gn 6,9), pode haver aqui restos de uma conceção sobre a existência de um oceano nos céus, acima do qual estaria assente o trono de Deus.
  11. Ou: com a paz.



Salmos

1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11   12   13   14   15   16   17   18   19   20   21   22   23   24   25   26   27   28   29   30   31   32   33   34   35   36   37   38   39   40   41   42   43   44   45   46   47   48   49   50   51   52   53   54   55   56   57   58   59   60   61   62   63   64   65   66   67   68   69   70   71   72   73   74   75   76   77   78   79   80   81   82   83   84   85   86   87   88   89   90   91   92   93   94   95   96   97   98   99   100   101   102   103   104   105   106   107   108   109   110   111   112   113   114   115   116   117   118   119   120   121   122   123   124   125   126   127   128   129   130   131   132   133   134   135   136   137   138   139   140   141   142   143   144   145   146   147   148   149   150