Lc 24

From Biblia: Os Quatro Evangelhos e os Salmos
Jump to: navigation, search

O sepulcro vazio e anúncio da ressurreição (Mt 28,1-8; Mc 16,1-4; Jo 20,1-13) – 1Mas, no primeiro dia da semana, ao amanhecer, foram ao sepulcro levando os aromas que tinham preparado[1]. 2Encontraram a pedra removida[2] do sepulcro 3e, ao entrarem, não encontraram o corpo do Senhor Jesus[3]. 4E aconteceu que, estando elas perplexas com isto, eis que se lhes apresentaram dois homens em vestes resplandecentes. 5Estando elas cheias de medo, e com o rosto inclinado para a terra, eles disseram-lhes: «Porque procurais entre os mortos aquele que está vivo[4]? 6Não está aqui; ressuscitou. Recordai-vos de como vos falou quando ainda estava na Galileia, 7dizendo: «É necessário o Filho do Homem ser entregue às mãos de homens pecadores, ser crucificado e ao terceiro dia ressuscitar».

8Recordaram-se, então, das suas palavras 9e, ao voltar do sepulcro, anunciaram tudo isto aos onze e a todos os outros. 10Eram Maria Madalena, Joana e Maria, mãe de Tiago[5], e as outras que estavam com elas. Diziam estas coisas aos apóstolos, 11mas estas palavras pareceram-lhes sem sentido e não acreditavam nelas. 12Mas Pedro, levantando-se, correu para o sepulcro e, debruçando-se, viu apenas as ligaduras de linho. E voltou para casa, admirado com o sucedido.


Aparição aos discípulos de Emaús (Mc 16,12s) – 13E eis que nesse mesmo dia dois deles estavam a caminho de uma povoação, de nome Emaús, que distava sessenta estádios[6] de Jerusalém. 14Eles conversavam um com o outro acerca de tudo o que acontecera.

15E aconteceu que, enquanto eles conversavam e debatiam, o próprio Jesus, aproximando-se, pôs-se a caminhar com eles. 16Os seus olhos, porém, estavam impedidos de o reconhecer.

17Disse-lhes, então: «Que palavras são essas que trocais entre vós enquanto caminhais?». Pararam com ar pesaroso. 18Um deles, de nome Cléofas, respondendo disse-lhe: «Serás Tu o único forasteiro em Jerusalém a não saber o que lá aconteceu nestes dias?». 19E Ele disse-lhes: «O quê?». Eles disseram-lhe: «O que diz respeito a Jesus de Nazaré, que se tornou um profeta poderoso em obras e palavras diante de Deus e de todo o povo, 20de tal modo que os chefes dos sacerdotes e os nossos magistrados o entregaram para ser condenado à morte e o crucificaram. 21Nós esperávamos que fosse Ele quem estava prestes a resgatar Israel, mas, com tudo isto, já lá vai o terceiro dia desde que estas coisas aconteceram. 22No entanto, algumas mulheres de entre nós deixaram-nos espantados: tendo estado de manhã cedo junto ao sepulcro, 23ao não encontrarem o seu corpo, vieram dizer que tinham tido uma visão de uns anjos que dizem que Ele está vivo. 24Alguns dos que estão connosco foram ao sepulcro e encontraram tudo como as mulheres haviam dito; mas a Ele não o viram».

25Então Ele disse-lhes: «Ó desprovidos de inteligência e lentos de coração para acreditar em tudo quanto disseram os Profetas! 26Não era necessário que o Cristo sofresse estas coisas, para entrar na sua glória?». 27E, começando a partir de Moisés[7] e de todos os Profetas, explicou-lhes, em todas as Escrituras, o que a Ele dizia respeito.

28Aproximaram-se da povoação para onde iam, e Ele fez menção de seguir adiante, 29mas eles insistiram com Ele, dizendo: «Fica connosco, porque é tarde e o dia já está a declinar». Entrou, então, para permanecer com eles. 30E aconteceu que, quando Ele se reclinou com eles à mesa, tomando o pão, pronunciou a bênção[8] e, partindo-o, deu-lho. 31Abriram-se-lhes os olhos e reconheceram-no, mas Ele deixou de lhes ser visível. 32Diziam, então, um ao outro: «Não nos ardia o nosso coração quando Ele no caminho nos falava, quando nos abria as Escrituras?».

33E, levantando-se, nessa mesma hora voltaram para Jerusalém. Encontraram reunidos os onze e os que estavam com eles, 34que diziam: «Realmente, o Senhor ressuscitou e apareceu a Simão». 35Então eles contaram o que acontecera no caminho, e como Ele se lhes dera a conhecer na fração do pão.


Jesus aparece aos Onze (Mc 16,14-19; Jo 20,19-23) – 36Enquanto eles falavam disto, Ele apresentou-se no meio deles e disse-lhes: «A paz esteja convosco!», 37mas, aterrorizados e assustados, pensavam estar a ver um espírito.

38Disse-lhes: «Porque estais perturbados e por que razão surgem esses pensamentos no vosso coração? 39Vede as minhas mãos e os meus pés: sou Eu mesmo. Tocai-me e vede, porque um espírito não tem carne nem ossos, como vedes que Eu tenho».

40Dito isto, mostrou-lhes as mãos e os pés. 41E dado que, de alegria, ainda não acreditavam e estavam admirados, disse-lhes: «Tendes aqui alguma coisa para comer?». 42Eles deram-lhe um pedaço de peixe assado. 43Tomando-o, comeu diante deles[9].


Missão dos discípulos – 44Disse-lhes, então: «Estas são as minhas palavras, que vos disse enquanto estava convosco: "É necessário que se cumpra tudo o que está escrito na Lei de Moisés, nos Profetas e nos Salmos acerca de mim».

45Abriu-lhes, então, a inteligência para entenderem as Escrituras. 46E disse-lhes: «Assim está escrito que o Cristo havia de sofrer e ressuscitar dos mortos ao terceiro dia, 47e que havia de ser proclamada, em seu nome, a conversão para o perdão dos pecados a todos os povos. Começando por Jerusalém, 48vós sois testemunhas destas coisas. 49E eis que Eu vou enviar sobre vós a promessa do meu Pai[10]; vós, ficai na cidade[11] até serdes revestidos com o poder do alto».


Ascensão de Jesus (Mc 16,19s) – 50Então levou-os para fora até junto de Betânia e, erguendo as suas mãos, abençoou-os. 51E aconteceu que, enquanto Ele os abençoava, ia-se afastando deles e era elevado ao céu. 52E eles, depois de se ajoelharem diante dele, voltaram para Jerusalém com grande alegria, 53e estavam continuamente no templo a bendizer a Deus[12].



  1. As mulheres voltam ao túmulo a fim de concluir os ritos da sepultura de Jesus que tinham ficado incompletos em virtude de, quando Jesus foi descido da cruz, já estar a aproximar-se o sábado. Levaram os aromas que tinham preparado (23,56).
  2. Lit.: rolada.
  3. A expressão Senhor Jesus é única no evangelho e frequente em Atos (1,21; 8,16; 11,20; 15,11; etc.). Sublinha a nova condição de Jesus ressuscitado.
  4. Jesus ressuscitado é agora designado vivo ou vivente, título que o AT usa para Deus (Js 3,10; Jz 8,19; 1Sm 14,39).
  5. Lit.: Maria de Tiago.
  6. 60 estádios correspondem a c. 12 quilómetros. Alguns testemunhos falam de 160 estádios (c. 32 quilómetros), levando a localização de Emaús para Amwas. O assunto é muito discutido e nada consensual.
  7. Moisés (i.e., a Lei) e os Profetas constituíam o essencial da Escritura (16,16.29-31; 24,44; At 24,14; 28,23), tal como era lido no culto sinagogal (At 13,15).
  8. Lc utiliza um vocabulário eucarístico (22,9 e 9,16) para fazer sentir aos seus leitores que é na (pela) fração do pão (At 2,42.46; 20,7.11) que podem encontrar Jesus.
  9. Com a referência ao ressuscitado que come, Lc quer sublinhar a realidade corpórea da ressurreição, assunto de difícil aceitação pelos leitores de cultura grega (At 17,32; 1Co 15,12).
  10. A promessa de meu Pai é o Espírito Santo (Jo 20,22). É o primeiro anúncio do Pentecostes (At 1,8; 2,33).
  11. A cidade referida é Jerusalém, ponto de partida da mensagem salvífica (Lc 1,5-25) e de chegada da missão de Jesus (9,51). Será também o centro de irradiação da mensagem apostólica (At 1,8). Sobre a ligação entre o Espírito e a força, cf. Lc 1,35.
  12. Estes vv. são a conclusão do evangelho: o ressuscitado abençoa os seus (At 3,26) que o adoram como Senhor. No v. 53, o evangelho termina onde havia começado, no templo (1,8), formando uma grande inclusão literária.



Capítulos

Lc 1 Lc 2 Lc 3 Lc 4 Lc 5 Lc 6 Lc 7 Lc 8 Lc 9 Lc 10 Lc 11 Lc 12 Lc 13 Lc 14 Lc 15 Lc 16 Lc 17 Lc 18 Lc 19 Lc 20 Lc 21 Lc 22 Lc 23 Lc 24