Lc 12

From Biblia: Os Quatro Evangelhos e os Salmos
Jump to: navigation, search

O fermento dos fariseus (Mt 10,26s) – 1Entretanto, tendo-se a multidão reunido aos milhares, a ponto de se pisarem uns aos outros, começou a dizer, primeiro aos seus discípulos: «Tende cuidado com o fermento dos fariseus, que é a hipocrisia! 2Nada há encoberto que não venha a descobrir-se, nem escondido que não venha a conhecer-se. 3Assim, tudo o que tiverdes dito às escuras será ouvido às claras; e o que tiverdes dito aos ouvidos, no interior das casas, será proclamado sobre os telhados».


Confessar Jesus sem medo (Mt 10,19.28-33; 12,32; Mc 3,11.29) – 4«Digo-vos, meus amigos: não tenhais medo dos que matam o corpo e depois disso nada mais têm para fazer. 5Mostrar-vos-ei de quem deveis ter medo: deveis ter medo daquele que, depois de matar, tem autoridade para lançar na Geena[1]. Sim, digo-vos: desse deveis ter medo. 6Não se vendem cinco pardais por duas moedas[2]? E nem um deles fica esquecido diante de Deus. 7Mas até os cabelos da vossa cabeça estão todos contados. Não tenhais medo: valeis mais do que muitos pardais.

8Digo-vos: todo aquele que me confessar diante dos homens, também o Filho do Homem o confessará diante dos anjos de Deus. 9Mas quem me negar diante dos homens será negado diante dos anjos de Deus. 10E todo aquele que disser uma palavra contra o Filho do Homem ser-lhe-á perdoado; mas àquele que blasfemar contra o Espírito Santo não será perdoado. 11Quando vos levarem às sinagogas, aos magistrados e às autoridades, não vos preocupeis como haveis de vos defender ou com o que haveis de dizer, <spanstyle="color:red">12</span>pois o Espírito Santo vos ensinará, naquela hora, o que é necessário dizer»[3].


Perigo das riquezas – 13Disse-lhe alguém de entre a multidão: «Mestre, diz ao meu irmão que divida a herança comigo»[4]. 14Mas Ele disse-lhe: «Homem, quem me constituiu juiz[5] ou árbitro entre vós?». 15E disse-lhes: «Vede bem: guardai-vos de toda a ganância, porque, mesmo que alguém possua em abundância, a sua vida não consiste nos seus bens».

16Disse-lhes, então, uma parábola[6]: «A terra de um homem rico deu uma boa colheita. 17E discutia consigo próprio, dizendo: "Que hei de fazer, dado que não tenho onde recolher os meus frutos?". 18Disse, então: "Vou fazer assim: destruirei os meus celeiros e edificarei uns maiores; lá recolherei todo o grão e os meus bens. 19E direi à minha alma: "Alma, tens muitos bens em depósito para muitos anos: descansa, come, bebe e regala-te!". 20Mas Deus disse-lhe: "Insensato! Esta noite a tua vida[7] ser-te-á reclamada. O que preparaste, para quem será?". 21Assim acontece àquele que acumula para si e não se torna rico diante de Deus».


Desprendimento e confiança em Deus (Mt 6,25-34) – 22Disse, então, aos seus discípulos: «Por isso vos digo: não vos preocupeis com a vida, quanto ao que haveis de comer, nem com o corpo, quanto ao que haveis de vestir. <spanstyle="color:red">23</span>Pois a vida é mais do que o alimento, e o corpo mais do que a roupa.

24Reparai nos corvos: não semeiam nem ceifam, não têm despensa nem celeiro, e Deus alimenta-os. Quanto mais não valeis vós do que as aves! 25Quem de vós, por se preocupar, pode acrescentar um cúbito[8] ao tempo da sua vida? 26Portanto, se nem do mínimo sois capazes, porque vos preocupais com o restante?

27Reparai como crescem os lírios: não se afadigam nem fiam. Digo-vos: nem Salomão, em toda a sua glória, se vestia como um deles. 28Ora, se no campo Deus veste assim a erva, que hoje existe e amanhã é lançada ao forno, quanto mais a vós, gente de pouca fé?

29Vós, não procureis o que comer nem o que beber e não vos inquieteis, 30pois os pagãos do mundo é que procuram tudo isso. O vosso Pai sabe que precisais dessas coisas. 31Procurai antes o seu reino e essas coisas vos serão dadas por acréscimo. 32Não tenhas medo, pequenino rebanho[9], porque aprouve ao vosso Pai dar-vos o reino».


O tesouro do céu (Mt 6,19-21) – 33«Vendei os vossos bens e dai esmola. Fazei para vós mesmos bolsas que não envelheçam, um tesouro inesgotável nos céus onde o ladrão não se aproxima nem a traça destrói. 34Pois onde está o vosso tesouro, aí também estará o vosso coração».


Vigilância (Mt 24,43-51; Mc 13,33-37) – 35«Estejam os vossos rins cingidos[10] e as candeias acesas. 36E vós, sede semelhantes a homens que estão à espera do seu senhor quando regressar das bodas, para que, quando vier e bater, imediatamente lhe abram a porta[11]. 37Felizes aqueles servos que o senhor, quando vier, encontrar vigilantes! Amen vos digo: há de cingir-se, recliná-los à mesa e, passando por eles, há de servi-los. 38Se vier na segunda ou na terceira vigília da noite e assim os encontrar, felizes são eles!

39Compreendei isto: se o senhor da casa soubesse a hora a que viria o ladrão, não teria deixado que a sua casa fosse arrombada. 40Estai também vós preparados, porque à hora em que menos pensais vem o Filho do Homem».


Parábola do servo fiel e do servo infiel (Mt 24,45-51; Mc 13,33-37) – 41Disse Pedro: «Senhor, é para nós que dizes esta parábola ou também para todos?». 42Disse o Senhor: «Quem é, portanto, o administrador fiel e prudente que o senhor colocará à frente dos seus servidores para dar, no tempo oportuno, a ração de trigo? 43Feliz aquele servo que, quando vier o seu senhor, o encontrar a fazer assim. 44Em verdade vos digo: colocá-lo-á à frente de todos os seus bens.

45Mas, se aquele servo disser no seu coração: "O meu senhor tarda em vir", e começar a bater nos servos e nas servas, a comer e beber e a embriagar-se, 46virá o senhor daquele servo no dia em que menos espera e na hora que não conhece, há de cortá-lo ao meio[12] e dar-lhe-á a sorte dos descrentes[13]. 47Aquele servo que, conhecendo a vontade do seu senhor, não se preparou ou não fez segundo a sua vontade, levará muitas vergastadas. 48Mas aquele que, não a conhecendo, tenha feito coisas merecedoras de chicote, levará poucas vergastadas. A todo aquele a quem muito foi dado, muito lhe será exigido; e a quem muito se confiou, mais lhe será pedido»[14].


Divisões por causa de Jesus (Mt 10,34-36) – 49«Vim lançar fogo sobre a terra[15] e que desejo Eu, senão que já estivesse ateado! 50Mas tenho um batismo para nele ser batizado[16] e como estou angustiado, até que se consume!

51Pensais que vim estabelecer paz na terra? Não, eu vos digo, mas a divisão. 52De facto, a partir de agora estarão cinco divididos numa casa: três contra dois e dois contra três. 53Estarão divididos pai contra filho e filho contra pai, mãe contra a filha e filha contra a mãe, sogra contra a sua nora e nora contra a sogra»[17].


Discernimento dos sinais. Juízo e reconciliação (Mt 5,25s; 16,2s) – 54Dizia também às multidões: «Quando vedes a nuvem que se levanta a poente, imediatamente dizeis: "Vem aí chuva", e assim acontece. 55E quando sopra o vento sul, dizeis: "Vai estar um calor ardente", e assim acontece. 56Hipócritas! Sabeis discernir o aspeto da terra e do céu; e este tempo, como não sabeis discerni-lo?

57Porque não julgais, também por vós próprios, o que é justo? 58Assim, quando vais com o teu adversário ao magistrado, esforça-te por te pores de acordo com ele no caminho; não aconteça que ele te arraste até ao juiz, o juiz te entregue ao oficial de justiça, e o oficial de justiça te lance na prisão. 59Digo-te: não sairás de lá, até que restituas a última moeda[18]».



  1. A leitura da expressão hebraica Gē-ben-hinnom (Vale do Filho de Hinnom) dará origem à palavra Geena, um vale situado a oeste e sudoeste da colina de Jerusalém. Era o lugar onde uma fogueira ardia de modo permanente, a fim de queimar os lixos da cidade de Jerusalém.
  2. Lit.: dois asses (moeda romana, de cobre, com 10 gramas de peso).
  3. Lc apresentará esta mesma promessa de modo diferente em 21,15 e mostra a sua realização, em At 4,8; 5,32; 7,55.
  4. Este tipo de arbitragem ou mediação era pedido, com frequência, aos rabinos.
  5. Ao recusar uma missão de ordem temporal, Jesus distingue-se de Moisés (Ex 2,14) e dos rabinos do seu tempo.
  6. Lit.: disse-lhes uma parábola, dizendo.
  7. Em grego psykhḗ (alma ou vida). A palavra significa aqui, como no AT, o ser vivo por inteiro, a pessoa.
  8. Um cúbito corresponde a 50 centímetros. Acrescentar um cúbito significa prolongar a duração da vida.
  9. Pequenino rebanho é uma imagem muito frequente no AT para designar o povo de Deus (Gn 48,15; Os 4,16; 13,4-6; Mq 2,2-13; 4,6s; 7,14; Sf 3,19; Jr 31,10; 50,19; Ez 34; Is 40,11; 49,9s; Sl 23,1; 95,7). Jesus aplica esta imagem a Israel (Mt 9,36; Mc 6,34), aos hebreus pecadores (Mt 10,6; 15,24; Lc 15,4s; 19,10) ou, como aqui, ao grupo dos discípulos (Mt 26,31; Mc 14,27).
  10. Rins cingidos é sinal de prontidão para o trabalho (v. 37; 17,8) ou para o caminho, como parece evocar a referência às lâmpadas acesas. De facto, foi essa a atitude dos hebreus quando, em Ex 12,11, se preparavam para celebrar a Páscoa.
  11. A porta é acrescento da tradução.
  12. Cf. Mt 24,51 nota.
  13. Lit. colocará a parte dele com os infiéis.
  14. Estes vv. concluem os anteriores e sublinham a responsabilidade dos chefes das Igrejas.
  15. O fogo de que aqui se fala é certamente aquele que acompanha o julgamento divino nas descrições escatológicas (Is 66,15-16; Ez 38,22; 39,6; Ml 3,19; Jdt 16,17).
  16. Lit: tenho um batismo para ser batizado.
  17. A divisão das famílias é, na tradição profética, um dos sinais do fim dos tempos (Mq 7,6; Ag 2,22; Ml 3,24).
  18. Em grego leptón [nómisma], ou seja, moeda de menor valor.



Capítulos

Lc 1 Lc 2 Lc 3 Lc 4 Lc 5 Lc 6 Lc 7 Lc 8 Lc 9 Lc 10 Lc 11 Lc 12 Lc 13 Lc 14 Lc 15 Lc 16 Lc 17 Lc 18 Lc 19 Lc 20 Lc 21 Lc 22 Lc 23 Lc 24