Difference between revisions of "Sl 74"

From Biblia: Os Quatro Evangelhos e os Salmos
Jump to: navigation, search
(Created page with " ---- <references/> == Salmos == 1   2   3   4   5   6   7   [...")
 
 
Line 1: Line 1:
 +
=== <span style="color:red">74(73)&nbsp;'''Oração pela libertação do povo'''</span>===
 +
&nbsp;
  
 +
<span style="color:red"><sup>1</sup></span>&nbsp;''Poema. De Asaf.''
  
  
 +
Ó Deus, porque nos rejeitaste para sempre<ref name="ftn426">Salmo coletivo de súplica, onde se lamenta uma ofensa de alguns inimigos contra o santuário do Senhor. Lembra os prodígios que Deus realizou por ocasião da saída do Egito e da entrada na terra de Canaã, como motivo perene de confiança. No que diz respeito aos ataques referidos contra o santuário, eles podem ser muito variados, se bem que possamos tomar sempre como referência maior a destruição do mesmo pelos conquistadores neobabilónicos em 587 ou 586 ( 2Rs 25,9; Lm 1,4-10; 2,5-9); outra referência pode ser a profanação do templo por ordem de Antíoco IV, em 170 a.C., acontecimento que provocou a revolta dos Macabeus.</ref>?
  
 +
:Porque se inflama a tua ira
  
 +
:contra o rebanho de que és pastor?
  
 +
<span style="color:red"><sup>2</sup></span>&nbsp;Lembra-te da tua comunidade, que há muito adquiriste,
  
 +
:da tribo que resgataste para tua herança,
 +
 +
:do monte Sião, onde tens a tua morada.
 +
 +
<span style="color:red"><sup>3</sup></span>&nbsp;Dirige os teus passos para estas ruínas sem fim;
 +
 +
:o inimigo destruiu tudo no santuário.
 +
 +
 +
<span style="color:red"><sup>4</sup></span>&nbsp;Os teus adversários rugiram no meio das tuas assembleias,
 +
 +
:hastearam ali as suas bandeiras como emblema.
 +
 +
<span style="color:red"><sup>5</sup></span>&nbsp;Atacaram a entrada superior
 +
 +
:e destruíram as madeiras a golpes de machado<ref name="ftn427">Ou: ''Pareciam lenhadores a brandir o machado / numa floresta espessa''. O hebraico deste v. torna difícil uma tradução segura. As portas do templo foram despedaçadas pelos soldados babilónicos (Lm 1,4; 2,9) e no tempo dos Macabeus foram queimadas pelos selêucidas (1Mac 4,38).</ref>.
 +
 +
<span style="color:red"><sup>6</sup></span>&nbsp;Deitaram abaixo todas as suas portas
 +
 +
:a golpes de malho e de martelo.
 +
 +
<span style="color:red"><sup>7</sup></span>&nbsp;Deitaram fogo ao teu santuário,
 +
 +
:derrubaram e profanaram a morada do teu nome.
 +
 +
<span style="color:red"><sup>8</sup></span>&nbsp;Disseram em seus corações: «Destruamo-los a todos!»
 +
 +
:e incendiaram todas as assembleias de Deus no país<ref name="ftn428">Em qualquer das duas datas de ataque referidas, os hebreus tinham apenas um templo. Os inimigos podem estar a fazer um exagero ou generalização como opção retórica, atitude com que pretenderiam atingir o país inteiro (cf. Is 10,11).</ref>.
 +
 +
<span style="color:red"><sup>9</sup></span>&nbsp;Já não vemos os nossos sinais, nem existem mais profetas,
 +
 +
:e ninguém entre nós sabe até quando.
 +
 +
 +
<span style="color:red"><sup>10</sup></span>&nbsp;Até quando, ó Deus, o inimigo nos vai ultrajar?
 +
 +
:Poderá o adversário desprezar o teu nome para sempre?
 +
 +
<span style="color:red"><sup>11</sup></span>&nbsp;Porque retiras a tua mão
 +
 +
:e escondes a direita no teu peito?
 +
 +
<span style="color:red"><sup>12</sup></span>&nbsp;Deus é o meu rei desde tempos antigos;
 +
 +
:é Ele que alcança vitórias no meio do país.
 +
 +
<span style="color:red"><sup>13</sup></span>&nbsp;Tu dividiste o mar com o teu poder<ref name="ftn429">Referência à travessia do Mar Vermelho (Ex 14,15).</ref>,
 +
 +
:partiste as cabeças aos monstros marinhos.
 +
 +
<span style="color:red"><sup>14</sup></span>&nbsp;Quebraste as cabeças de Leviatan<ref name="ftn430">Leviatan é o nome para um dos monstros marinhos na mitologia de Canaã. Na literatura de Ugarit era descrito como tendo sete cabeças (Is 27,1; Sl 104,26; Jb 3,8; 11,25ss.)</ref>
 +
 +
:e deste-o a comer aos monstros do mar.
 +
 +
 +
<span style="color:red"><sup>15</sup></span>&nbsp;Tu fizeste brotar fontes e torrentes
 +
 +
:e fizeste secar rios de caudal perene.
 +
 +
<span style="color:red"><sup>16</sup></span>&nbsp;O dia é teu e tua é também a noite;
 +
 +
:Tu estabeleceste a lua<ref name="ftn431">Lit.: ''luzeiro e sol.''</ref> e o sol.
 +
 +
<span style="color:red"><sup>17</sup></span>&nbsp;Tu fixaste todas as fronteiras da terra;
 +
 +
:o verão e o inverno, Tu os formaste.
 +
 +
 +
<span style="color:red"><sup>18</sup></span>&nbsp;Lembra-te, Senhor, que o inimigo te insultou,
 +
 +
:e um povo insensato desprezou o teu nome.
 +
 +
<span style="color:red"><sup>19</sup></span>&nbsp;Não entregues aos abutres a vida da tua pomba<ref name="ftn432">Ou: ''dos teus fiéis''. Oseias compara Israel a uma pomba: Os 7,11; 11,11 (cf. Ct 5,2).</ref><nowiki>;</nowiki>
 +
 +
:não esqueças para sempre a vida dos teus pobres.
 +
 +
<span style="color:red"><sup>20</sup></span>&nbsp;Olha pela tua aliança,
 +
 +
:pois os recantos do país estão cheios de violência.
 +
 +
<span style="color:red"><sup>21</sup></span>&nbsp;Que os humildes não voltem confundidos;
 +
 +
:que o pobre e o indigente possam louvar o teu nome.
 +
 +
<span style="color:red"><sup>22</sup></span>&nbsp;Ergue-te, ó Deus, defende a tua causa
 +
 +
:e lembra-te das ofensas
 +
 +
:que, todo o dia, te fazem os insensatos.
 +
 +
<span style="color:red"><sup>23</sup></span>&nbsp;Não te esqueças dos gritos dos teus inimigos,
 +
 +
:do tumulto sempre crescente dos teus adversários.
  
  

Latest revision as of 20:08, 17 December 2019

74(73) Oração pela libertação do povo

 

1 Poema. De Asaf.


Ó Deus, porque nos rejeitaste para sempre[1]?

Porque se inflama a tua ira
contra o rebanho de que és pastor?

2 Lembra-te da tua comunidade, que há muito adquiriste,

da tribo que resgataste para tua herança,
do monte Sião, onde tens a tua morada.

3 Dirige os teus passos para estas ruínas sem fim;

o inimigo destruiu tudo no santuário.


4 Os teus adversários rugiram no meio das tuas assembleias,

hastearam ali as suas bandeiras como emblema.

5 Atacaram a entrada superior

e destruíram as madeiras a golpes de machado[2].

6 Deitaram abaixo todas as suas portas

a golpes de malho e de martelo.

7 Deitaram fogo ao teu santuário,

derrubaram e profanaram a morada do teu nome.

8 Disseram em seus corações: «Destruamo-los a todos!»

e incendiaram todas as assembleias de Deus no país[3].

9 Já não vemos os nossos sinais, nem existem mais profetas,

e ninguém entre nós sabe até quando.


10 Até quando, ó Deus, o inimigo nos vai ultrajar?

Poderá o adversário desprezar o teu nome para sempre?

11 Porque retiras a tua mão

e escondes a direita no teu peito?

12 Deus é o meu rei desde tempos antigos;

é Ele que alcança vitórias no meio do país.

13 Tu dividiste o mar com o teu poder[4],

partiste as cabeças aos monstros marinhos.

14 Quebraste as cabeças de Leviatan[5]

e deste-o a comer aos monstros do mar.


15 Tu fizeste brotar fontes e torrentes

e fizeste secar rios de caudal perene.

16 O dia é teu e tua é também a noite;

Tu estabeleceste a lua[6] e o sol.

17 Tu fixaste todas as fronteiras da terra;

o verão e o inverno, Tu os formaste.


18 Lembra-te, Senhor, que o inimigo te insultou,

e um povo insensato desprezou o teu nome.

19 Não entregues aos abutres a vida da tua pomba[7];

não esqueças para sempre a vida dos teus pobres.

20 Olha pela tua aliança,

pois os recantos do país estão cheios de violência.

21 Que os humildes não voltem confundidos;

que o pobre e o indigente possam louvar o teu nome.

22 Ergue-te, ó Deus, defende a tua causa

e lembra-te das ofensas
que, todo o dia, te fazem os insensatos.

23 Não te esqueças dos gritos dos teus inimigos,

do tumulto sempre crescente dos teus adversários.



  1. Salmo coletivo de súplica, onde se lamenta uma ofensa de alguns inimigos contra o santuário do Senhor. Lembra os prodígios que Deus realizou por ocasião da saída do Egito e da entrada na terra de Canaã, como motivo perene de confiança. No que diz respeito aos ataques referidos contra o santuário, eles podem ser muito variados, se bem que possamos tomar sempre como referência maior a destruição do mesmo pelos conquistadores neobabilónicos em 587 ou 586 ( 2Rs 25,9; Lm 1,4-10; 2,5-9); outra referência pode ser a profanação do templo por ordem de Antíoco IV, em 170 a.C., acontecimento que provocou a revolta dos Macabeus.
  2. Ou: Pareciam lenhadores a brandir o machado / numa floresta espessa. O hebraico deste v. torna difícil uma tradução segura. As portas do templo foram despedaçadas pelos soldados babilónicos (Lm 1,4; 2,9) e no tempo dos Macabeus foram queimadas pelos selêucidas (1Mac 4,38).
  3. Em qualquer das duas datas de ataque referidas, os hebreus tinham apenas um templo. Os inimigos podem estar a fazer um exagero ou generalização como opção retórica, atitude com que pretenderiam atingir o país inteiro (cf. Is 10,11).
  4. Referência à travessia do Mar Vermelho (Ex 14,15).
  5. Leviatan é o nome para um dos monstros marinhos na mitologia de Canaã. Na literatura de Ugarit era descrito como tendo sete cabeças (Is 27,1; Sl 104,26; Jb 3,8; 11,25ss.)
  6. Lit.: luzeiro e sol.
  7. Ou: dos teus fiéis. Oseias compara Israel a uma pomba: Os 7,11; 11,11 (cf. Ct 5,2).



Salmos

1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11   12   13   14   15   16   17   18   19   20   21   22   23   24   25   26   27   28   29   30   31   32   33   34   35   36   37   38   39   40   41   42   43   44   45   46   47   48   49   50   51   52   53   54   55   56   57   58   59   60   61   62   63   64   65   66   67   68   69   70   71   72   73   74   75   76   77   78   79   80   81   82   83   84   85   86   87   88   89   90   91   92   93   94   95   96   97   98   99   100   101   102   103   104   105   106   107   108   109   110   111   112   113   114   115   116   117   118   119   120   121   122   123   124   125   126   127   128   129   130   131   132   133   134   135   136   137   138   139   140   141   142   143   144   145   146   147   148   149   150