Sl 71

From Biblia: Os Quatro Evangelhos e os Salmos
Revision as of 20:05, 17 December 2019 by Bibliacep (talk | contribs)

(diff) ← Older revision | Latest revision (diff) | Newer revision → (diff)
Jump to: navigation, search

71(70) Súplica de um ancião

 

1 Em ti, Senhor, me refugio[1].

Que eu nunca mais seja confundido.

2 Pela tua justiça livra-me e protege-me;

inclina para mim os teus ouvidos e salva-me.

3 Sê para mim um rochedo de refúgio,

onde eu possa acolher-me sempre.

Tu decidiste salvar-me,

pois és a minha rocha e fortaleza.


4 Meu Deus, livra-me da mão do malfeitor,

das garras do opressor e do violento.

5 Senhor, Tu és a minha esperança;

és a minha confiança, desde a juventude, ó Senhor.

6 Em ti me apoio desde o ventre materno,

desde o seio de minha mãe Tu és meu protetor[2];
para ti vai sempre o meu louvor.


7 Para muitos sou motivo de admiração,

porque Tu és o meu refúgio seguro.

8 A minha boca está cheia dos teus louvores;

todo o dia proclamo a tua magnificência.

9 Não me rejeites no tempo da velhice,

não me abandones, quando se me acabam as forças.

10 Os meus inimigos falam contra mim

e entre si conspiram os que espiam a minha vida.

11 Eles dizem: «Deus abandonou-o.

Persigam-no e agarrem-no,
pois não há quem o salve».


12 Ó Deus, não te afastes de mim!

Meu Deus, vem depressa socorrer-me.

13 Sejam confundidos e destruídos

aqueles que atentam contra a minha vida.

Cubram-se de opróbrio e vergonha

os que procuram a minha desgraça.

14 Eu, porém, esperarei continuamente

e proclamarei ainda mais o teu louvor.

15 A minha boca anunciará a tua justiça[3]

e, todo o dia, a tua salvação,
mesmo sem as saber contar.

16 Eu entrarei nas tuas fortalezas[4], ó Senhor[5],

e recordarei, Senhor, a tua justiça que é só tua.

17 Instruíste-me, ó Deus, desde a minha juventude

e até hoje tenho anunciado as tuas maravilhas.

18 Também agora, na velhice e de cabelos brancos[6],

não me abandones, ó Deus,

enquanto eu anuncio a tua força[7] a esta geração

e a todos os que vão entrando nas tuas fortalezas.

19 A tua justiça, ó Deus, chega até às alturas,

pois fizeste grandes coisas.
Quem é igual a ti, ó Deus?


20 Fizeste-me passar por grandes males e aflições;

mas voltarás a dar-me a vida[8]
e dos abismos[9] da terra me erguerás de novo.

21 Acrescentarás a minha dignidade,

aproximando-te para me confortar.

22 Por isso, quero louvar-te ao som da harpa,

louvar a tua fidelidade, ó meu Deus.

Quero cantar-te ao som da cítara,

ó santo de Israel.

23 Ao cantar-te hinos, vibrarão de alegria meus lábios

e também a minha alma que Tu resgataste.

24 A minha língua recitará, todo o dia, a tua justiça,

pois ficaram confundidos e cheios de vergonha
os que procuravam a minha desgraça.



  1. Este salmo individual de súplica descreve a situação de alguém que se encontra sujeito a dolorosas perseguições, mas reafirma toda a sua confiança em Deus. Devido talvez a este clima de confiança, verificamos que neste salmo não aparecem os ataques contra os inimigos que habitualmente se encontram em textos deste género. A imagem do salmista é a de um piedoso ancião (vv. 9 e 18), cuja vida se desenrolou no cumprimento dos seus deveres religiosos. Este salmo não apresenta em título nenhuma das referências que constam habitualmente no texto hebraico. Em contrapartida, na tradução grega dos LXX está escrito como título: De David. Dos filhos de Jonadab e primeiros exilados.
  2. O termo hebraico entendido como pertencendo à raiz gzz poderia significar como o que corta o cordão umbilical, oferecendo ao recém-nascido o primeiro acolhimento. O termo paralelo no Sl 22,10 também não é muito mais claro. Nos textos de Qumrân foi lido com ‘ozzî (minha força). Não se trata da mesma raiz, mas serve como perceção de sentido segundo o contexto.
  3. Colocar em paralelo o conceito de justiça e o de salvação significa que se está a sublinhar neste conceito a dimensão radical de generosidade e exigência, muito para além da ideia limitada de dar o seu a seu dono.
  4. O verbo entrar sugere que o contexto é o de um espaço delimitado, onde vai praticar um ato de piedade. As fortalezas é uma metáfora para indicar o templo, edifício de uma funcionalidade variada e complexa que justificava o plural, segundo o uso cananaico. A mesma relação entre entrar e tuas fortalezas reaparece, logo a seguir, no v. 18.
  5. Lit.: Adonai.
  6. Esta referência à velhice pode aplicar-se ao indivíduo orante, mas também a um Israel envelhecido. Os profetas e os textos bíblicos servem-se frequentemente destas categorias de idade como expressão do acumular histórico de esperanças, desilusões e experiências.
  7. Lit.: o teu braço. O braço é a metáfora caraterística para exprimir a intervenção de Deus realizada no êxodo.
  8. O texto hebraico consonântico diz: voltarás a dar-nos vida. A nota marginal massorética recomenda que se leia no singular.
  9. O hebraico usa, no plural, o mesmo termo que em Gn 1,2 é usado para designar o abismo ou caos inicial (tehom). O conceito de morte e mundo dos mortos associa todas estas conotações.



Salmos

1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11   12   13   14   15   16   17   18   19   20   21   22   23   24   25   26   27   28   29   30   31   32   33   34   35   36   37   38   39   40   41   42   43   44   45   46   47   48   49   50   51   52   53   54   55   56   57   58   59   60   61   62   63   64   65   66   67   68   69   70   71   72   73   74   75   76   77   78   79   80   81   82   83   84   85   86   87   88   89   90   91   92   93   94   95   96   97   98   99   100   101   102   103   104   105   106   107   108   109   110   111   112   113   114   115   116   117   118   119   120   121   122   123   124   125   126   127   128   129   130   131   132   133   134   135   136   137   138   139   140   141   142   143   144   145   146   147   148   149   150