Difference between revisions of "Sl 7"

From Biblia: Os Quatro Evangelhos e os Salmos
Jump to: navigation, search
 
(One intermediate revision by the same user not shown)
Line 1: Line 1:
 +
=== <span style="color:red">7''' Oração de um justo perseguido'''</span>===
 +
&nbsp;
  
 +
<span style="color:red"><sup>1</sup></span>&nbsp;''Lamentação de David, que ele cantou ao Senhor sobre Cuche, ''
  
 +
:''o benjaminita''<ref name="ftn30">Esta personagem é desconhecida, mas há quem estabeleça comparação com o episódio relatado em 2Sm 18,21ss. As traduções antigas leram aqui um nome igual ao do pai de Sofonias, ''Cuchi'' (Sf 1,1).</ref>.
  
  
 +
<span style="color:red"><sup>2</sup></span>&nbsp;Ó Senhor, meu Deus, em ti me refugio<ref name="ftn31">O salmista ou o crente cujos sentimentos este salmo retrata sente-se sob ameaça de um inimigo e dirige-se a Deus neste salmo individual de súplica, declarando solenemente a sua inocência (vv. 2-6); invoca a sua justiça (vv. 7-10) e, confiante, pede o castigo que é devido aos inimigos (vv. 11-17). O termo que aparece no título do salmo, usado aqui e em Hab 3,1, parece sugerir que se trata de uma lamentação.</ref>.
  
 +
:Salva-me de todo o que me persegue e liberta-me.
  
 +
<span style="color:red"><sup>3</sup></span>&nbsp;Que ele não desfaça como um leão a minha vida,
 +
 +
:dilacerando-me, sem que ninguém me liberte.
 +
 +
 +
<span style="color:red"><sup>4</sup></span>&nbsp;Senhor, meu Deus, se algum mal eu fiz,
 +
 +
:se nas minhas mãos há maldade,
 +
 +
<span style="color:red"><sup>5</sup></span>&nbsp;se paguei com o mal a quem me fez bem<ref name="ftn32">Se o salmo tiver realmente a ver com David, a hipótese de ter tratado bem a quem lhe fez mal espelha bem o relacionamento de David para com o rei Saul, conforme aparece em 1Sm 24,11; 26,9.</ref>,
 +
 +
:se despojei o meu adversário sem motivo,
 +
 +
<span style="color:red"><sup>6</sup></span>&nbsp;então que o inimigo me persiga<ref name="ftn33">Lit.: ''persiga a minha alma.'' Este v. é um bom exemplo para mostrar como as expressões ''alma'' e ''vida'' são usadas como sinónimas uma da outra, pois ocupam na primeira e na segunda parte do v. uma função absolutamente paralela.</ref> e derrube,
 +
 +
:calcando por terra a minha vida,
 +
 +
:e faça com que a minha honra<ref name="ftn34">Ou: ''a minha glória.'' A expressão aqui usada para significar ''minha honra'' ou ''minha glória'' (''kabod'') aparece na Bíblia com o significado de alma e de vida (Sl 16,9; Gn 49,6).</ref> vá morar no pó.''Pausa''
 +
 +
 +
<span style="color:red"><sup>7</sup></span>&nbsp;Levanta-te, Senhor, na tua ira;
 +
 +
:ergue-te contra a fúria dos meus adversários.
 +
 +
:Desperta, ó meu Deus<ref name="ftn35">O texto consonântico hebraico permite esta leitura e foi realmente esta que os LXX assumiram e as traduções têm seguido de uma maneira geral, incluindo a NVg. No entanto, a tradução pedida por Pio XII ao Pontifício Instituto Bíblico e que esteve em uso litúrgico desde 1945 seguiu a interpretação massorética e traduziu: ''Et surge pro me in iudicio, quod indixisti, ''“e ergue-te em meu favor no julgamento que ordenaste”.</ref> e decreta a sentença.
 +
 +
<span style="color:red"><sup>8</sup></span>&nbsp;Junta, portanto, em redor de ti a assembleia dos povos
 +
 +
:e, lá no alto, senta-te a presidir sobre ela.
 +
 +
<span style="color:red"><sup>9</sup></span>&nbsp;É o Senhor que julga os povos.
 +
 +
:Julga-me, ó Senhor, segundo a minha justiça
 +
 +
:e segundo a minha integridade.
 +
 +
<span style="color:red"><sup>10</sup></span>&nbsp;Acaba com a malícia dos malfeitores
 +
 +
:e confirma o justo.
 +
 +
Pois aquele que examina os rins e os corações,
 +
 +
:é um Deus justo.
 +
 +
<span style="color:red"><sup>11</sup></span>&nbsp;A minha proteção está em Deus,
 +
 +
:que salva os de coração sincero.
 +
 +
<span style="color:red"><sup>12</sup></span>&nbsp;Deus é um justo juiz,
 +
 +
:um Deus que, dia a dia, mostra a sua indignação.
 +
 +
 +
<span style="color:red"><sup>13</sup></span>&nbsp;Se alguém não se arrepende, Ele afia a sua espada,
 +
 +
:arma o seu arco e aponta-o;
 +
 +
<span style="color:red"><sup>14</sup></span>&nbsp;e contra o malvado prepara armas de morte,
 +
 +
:das suas flechas faz tições ardentes<ref name="ftn36">O texto hebraico não exprime de forma clara se o sujeito dos vv. 13-14 é Deus ou o malvado. Há quem interprete os vv. 13-14 como tendo o ímpio por sujeito. A NVg segue esta interpretação. No entanto, considerar Deus como sujeito destas frases parece enquadrar-se no contexto de uma forma mais coerente. </ref>.
 +
 +
 +
<span style="color:red"><sup>15</sup></span>&nbsp;Eis que ele concebeu a iniquidade;
 +
 +
:e esta gerou a maldade e deu à luz a mentira<ref name="ftn37">A mesma metáfora sobre a gestação do mal no interior de cada ser humano se encontra em Is 59,4; Jb 15,35.</ref>.
 +
 +
<span style="color:red"><sup>16</sup></span>&nbsp;Ele cavou e aprofundou um fosso,
 +
 +
:mas cairá na cova que ele mesmo abriu.
 +
 +
<span style="color:red"><sup>17</sup></span>&nbsp;A sua maldade recairá sobre a sua cabeça
 +
 +
:e a sua violência tombará sobre a sua nuca.
 +
 +
 +
<span style="color:red"><sup>18</sup></span>&nbsp;Eu louvarei o Senhor porque Ele é justo,
 +
 +
:e cantarei o nome do Senhor, o Altíssimo.
  
  

Latest revision as of 11:48, 16 December 2019

7 Oração de um justo perseguido

 

1 Lamentação de David, que ele cantou ao Senhor sobre Cuche,

o benjaminita[1].


2 Ó Senhor, meu Deus, em ti me refugio[2].

Salva-me de todo o que me persegue e liberta-me.

3 Que ele não desfaça como um leão a minha vida,

dilacerando-me, sem que ninguém me liberte.


4 Senhor, meu Deus, se algum mal eu fiz,

se nas minhas mãos há maldade,

5 se paguei com o mal a quem me fez bem[3],

se despojei o meu adversário sem motivo,

6 então que o inimigo me persiga[4] e derrube,

calcando por terra a minha vida,
e faça com que a minha honra[5] vá morar no pó.Pausa


7 Levanta-te, Senhor, na tua ira;

ergue-te contra a fúria dos meus adversários.
Desperta, ó meu Deus[6] e decreta a sentença.

8 Junta, portanto, em redor de ti a assembleia dos povos

e, lá no alto, senta-te a presidir sobre ela.

9 É o Senhor que julga os povos.

Julga-me, ó Senhor, segundo a minha justiça
e segundo a minha integridade.

10 Acaba com a malícia dos malfeitores

e confirma o justo.

Pois aquele que examina os rins e os corações,

é um Deus justo.

11 A minha proteção está em Deus,

que salva os de coração sincero.

12 Deus é um justo juiz,

um Deus que, dia a dia, mostra a sua indignação.


13 Se alguém não se arrepende, Ele afia a sua espada,

arma o seu arco e aponta-o;

14 e contra o malvado prepara armas de morte,

das suas flechas faz tições ardentes[7].


15 Eis que ele concebeu a iniquidade;

e esta gerou a maldade e deu à luz a mentira[8].

16 Ele cavou e aprofundou um fosso,

mas cairá na cova que ele mesmo abriu.

17 A sua maldade recairá sobre a sua cabeça

e a sua violência tombará sobre a sua nuca.


18 Eu louvarei o Senhor porque Ele é justo,

e cantarei o nome do Senhor, o Altíssimo.



  1. Esta personagem é desconhecida, mas há quem estabeleça comparação com o episódio relatado em 2Sm 18,21ss. As traduções antigas leram aqui um nome igual ao do pai de Sofonias, Cuchi (Sf 1,1).
  2. O salmista ou o crente cujos sentimentos este salmo retrata sente-se sob ameaça de um inimigo e dirige-se a Deus neste salmo individual de súplica, declarando solenemente a sua inocência (vv. 2-6); invoca a sua justiça (vv. 7-10) e, confiante, pede o castigo que é devido aos inimigos (vv. 11-17). O termo que aparece no título do salmo, usado aqui e em Hab 3,1, parece sugerir que se trata de uma lamentação.
  3. Se o salmo tiver realmente a ver com David, a hipótese de ter tratado bem a quem lhe fez mal espelha bem o relacionamento de David para com o rei Saul, conforme aparece em 1Sm 24,11; 26,9.
  4. Lit.: persiga a minha alma. Este v. é um bom exemplo para mostrar como as expressões alma e vida são usadas como sinónimas uma da outra, pois ocupam na primeira e na segunda parte do v. uma função absolutamente paralela.
  5. Ou: a minha glória. A expressão aqui usada para significar minha honra ou minha glória (kabod) aparece na Bíblia com o significado de alma e de vida (Sl 16,9; Gn 49,6).
  6. O texto consonântico hebraico permite esta leitura e foi realmente esta que os LXX assumiram e as traduções têm seguido de uma maneira geral, incluindo a NVg. No entanto, a tradução pedida por Pio XII ao Pontifício Instituto Bíblico e que esteve em uso litúrgico desde 1945 seguiu a interpretação massorética e traduziu: Et surge pro me in iudicio, quod indixisti, “e ergue-te em meu favor no julgamento que ordenaste”.
  7. O texto hebraico não exprime de forma clara se o sujeito dos vv. 13-14 é Deus ou o malvado. Há quem interprete os vv. 13-14 como tendo o ímpio por sujeito. A NVg segue esta interpretação. No entanto, considerar Deus como sujeito destas frases parece enquadrar-se no contexto de uma forma mais coerente.
  8. A mesma metáfora sobre a gestação do mal no interior de cada ser humano se encontra em Is 59,4; Jb 15,35.



Salmos

1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11   12   13   14   15   16   17   18   19   20   21   22   23   24   25   26   27   28   29   30   31   32   33   34   35   36   37   38   39   40   41   42   43   44   45   46   47   48   49   50   51   52   53   54   55   56   57   58   59   60   61   62   63   64   65   66   67   68   69   70   71   72   73   74   75   76   77   78   79   80   81   82   83   84   85   86   87   88   89   90   91   92   93   94   95   96   97   98   99   100   101   102   103   104   105   106   107   108   109   110   111   112   113   114   115   116   117   118   119   120   121   122   123   124   125   126   127   128   129   130   131   132   133   134   135   136   137   138   139   140   141   142   143   144   145   146   147   148   149   150