Sl 147

From Biblia: Os Quatro Evangelhos e os Salmos
Revision as of 11:07, 18 December 2019 by Bibliacep (talk | contribs)

(diff) ← Older revision | Latest revision (diff) | Newer revision → (diff)
Jump to: navigation, search

147(146-147)  Maravilhas de Deus por Israel

 

1 Aleluia!


Louvai o Senhor[1],

porque é bom cantar ao nosso Deus,
porque é agradável e justo o seu louvor.

2 O Senhor reconstrói Jerusalém

e faz regressar os dispersos de Israel.

3 Ele cura os de coração despedaçado

e liga as suas feridas.

4 Ele estabelece um número para as estrelas

e dá um nome a cada uma delas[2].

5 Grande é o nosso Senhor e todo-poderoso,

a sua sabedoria não tem limites.

6 O Senhor ampara os humildes,

mas rebaixa os malfeitores até ao chão.


7 Cantai ao Senhor em ação de graças,

entoai hinos ao nosso Deus, ao som da lira.

8 Ele cobre de nuvens os céus

e para a terra prepara a chuva,
que faz brotar as ervas nos montes[3].

9 Ele dá aos animais o seu alimento

e aos filhotes dos corvos[4], quando gritam.

10 Não é o vigor do cavalo que Ele mais aprecia[5],

nem dá valor aos músculos no homem.

11 O Senhor aprecia aqueles que o temem,

aqueles que confiam na sua misericórdia.


12 Glorifica, Jerusalém, o Senhor[6];

louva o teu Deus, ó Sião.

13 Pois Ele reforçou os ferrolhos das tuas portas

e abençoou os teus filhos dentro de ti.

14 Ele coloca em paz as tuas fronteiras

e alimenta-te com a flor da farinha.


15 Ele envia a sua mensagem para a terra[7]

e a sua palavra corre sempre veloz[8];

16 Ele concede a neve como se fosse lã,

espalha a geada como cinza.

17 Atira o seu granizo como se fossem migalhas.

Com o seu frio, quem pode resistir?

18 Ele envia a sua palavra e o gelo derrete;

faz soprar o seu vento e as águas correm.

19 Ele anuncia os seus planos a Jacob,

os seus preceitos e as suas ordens a Israel.

20 Não fez assim com nenhum outro povo,

não lhes deu a conhecer as suas ordens[9].


Aleluia!



  1. Este salmo é um hino em que insistentemente se convida ao louvor a Deus (vv. 1,7, 12). Cada um destes convites ao louvor dá início a uma nova estrofe do salmo. De 1-6 o louvor a Deus tem como base os seus atributos; de 7-11 é a sua providência; de 12-20 são os benefícios concedidos a Jerusalém e, por ela, a todo o povo. Nos LXX e na Vg esta última estrofe constitui um salmo à parte. Este salmo apresenta-se, desta maneira, como um cântico destinado a manter o espírito e o entusiasmo que, em cada assembleia, o fiel é chamado a reviver. Mesmo apresentando uma intenção genérica, continua a ressaltar que os motivos para sublinhar o louvor, enquanto sentimento religioso fundamental, é a maneira como Deus preside e exprime o funcionamento ordenado do universo. O universo em que o salmista sente que está a viver é, precisamente por esse motivo, contemplado com satisfação, confiança e otimismo.
  2. Dar nome às estrelas é mostrar de que maneira Deus exerce a soberania naquela relação: a soberania significa a eficácia matizada da gestão a não força bruta de comando (cf. Is 40,26-28).
  3. A tradição hermenêutica que vai da tradução dos LXX até à NVg sentiu que a seguir à menção da erva nos montes faltava uma referência paralela ao serviço que esta fertilidade presta aos homens (cf. Sl 104,14) e completou com um hemistíquio que diz: e verdura para serviço do homem.
  4. Os filhotes dos corvos são tomados como exemplo de um ser que, por natureza, corre o risco de se encontrar ao desamparo (cf. Mt 6,26; Lc 12,24). Como seres vivos, eles sentem a falta de alimento e por isso gritam. O verbo gritar é o mesmo que se usa quando os humanos se dirigem a Deus em oração.
  5. O que está principalmente em apreço nestas referências é a agilidade e a velocidade que os cavalos são capazes de atingir (cf. Sl 33,16-18).
  6. É neste v. 12 que começa o Sl 147, segundo a numeração que passou da tradução dos LXX para a Vg e para os textos de uso litúrgico.
  7. Nesta última estrofe (vv. 15-20) a eficácia da gestão que Deus faz da vida do universo está expressa pelos pronomes possessivos que fazem com que todos os fatores ativos e intervenientes no funcionamento do universo sejam vistos como pertencendo a Deus e aparecendo a funcionar sob o seu comando direto.
  8. A palavra de Deus aparece aqui personificada como um dos seus mensageiros (cf. Sl 107,20; Is 55,10-11; Jo 1,14).
  9. A maneira como os hebreus se sentem conhecedores deste maravilhoso funcionamento do universo é um privilégio e uma mais valia que os torna felizes e que verificam não existir em outros povos.



Salmos

1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11   12   13   14   15   16   17   18   19   20   21   22   23   24   25   26   27   28   29   30   31   32   33   34   35   36   37   38   39   40   41   42   43   44   45   46   47   48   49   50   51   52   53   54   55   56   57   58   59   60   61   62   63   64   65   66   67   68   69   70   71   72   73   74   75   76   77   78   79   80   81   82   83   84   85   86   87   88   89   90   91   92   93   94   95   96   97   98   99   100   101   102   103   104   105   106   107   108   109   110   111   112   113   114   115   116   117   118   119   120   121   122   123   124   125   126   127   128   129   130   131   132   133   134   135   136   137   138   139   140   141   142   143   144   145   146   147   148   149   150