Sl 132

From Biblia: Os Quatro Evangelhos e os Salmos
Revision as of 10:43, 18 December 2019 by Bibliacep (talk | contribs)

(diff) ← Older revision | Latest revision (diff) | Newer revision → (diff)
Jump to: navigation, search

132(131) Promessas de Deus a David

 

1 Cântico das peregrinações.


Senhor, lembra-te de David[1]

e de todos os seus trabalhos.

2 Ele fez um juramento ao Senhor,

um voto ao Poderoso de Jacob[2]:

3 «Não entrarei no abrigo da minha casa,

nem subirei para o meu leito de repouso;

4 não concederei sono aos meus olhos

nem descanso às minhas pálpebras,

5 enquanto não encontrar um lugar para o Senhor,

uma digna morada[3] para o Poderoso de Jacob».


6 Ouvíamos dizer que a arca[4] estava em Efrata[5],

encontrámo-la nos campos de Jaar.

7 Entremos na sua morada!

Prostremo-nos junto ao estrado dos seus pés!


8 Levanta-te e vem, Senhor, para o teu lugar de repouso,

Tu e a arca do teu poder!

9 Que os teus sacerdotes se revistam de justiça,

e os teus fiéis exultem de alegria.

10 Por amor de David, teu servo,

não deixes de acolher o teu ungido[6].


11 O Senhor fez um juramento a David[7],

promessa firme, da qual não volta atrás:

«Será um dos teus descendentes

que Eu hei de colocar no trono por ti.

12 Se os teus filhos guardarem a minha aliança

e os preceitos que Eu lhes ensino,

também os filhos deles, para sempre,

hão de sentar-se no trono por ti».


13 Pois o Senhor escolheu Sião

e desejou que fosse ali a sua morada:

14 «Este será para sempre o meu lugar de repouso,

aqui hei de habitar, porque assim o desejei.

15 Abençoarei, sim, abençoarei as suas provisões,

saciarei de pão os seus pobres.

16 Revestirei de esplendor[8] os seus sacerdotes,

e os seus fiéis hão de exultar de alegria.

17 Ali farei germinar o poder de David[9],

pois preparei uma lâmpada[10] para o meu ungido.

18 Aos seus inimigos cobrirei de vergonha,

mas sobre ele florirá o seu diadema[11]».



  1. Este salmo costuma ser incluído na categoria dos salmos reais. Com efeito, a figura central em todo ele é a do rei David. E isto, por vários motivos. Primeiro, porque tomou a decisão de procurar um lugar para estabelecer o santuário do Senhor. Em segundo lugar, porque Deus fez a promessa de lhe garantir em Sião uma dinastia perene de descendentes. A simbologia da realeza e dos seus agentes, tanto no culto como na política, está relacionada com a aliança entre Deus e o povo. A dúvida de saber se o diadema real, referido no último v., diz respeito a Deus ou ao rei tem marcado a história das traduções desde a antiguidade. Ambas as hipóteses podem fazer algum sentido, tendo em conta o pensamento hebraico e mesmo oriental sobre a realeza. É no realizar de forma eficaz e honesta as funções superiores do poder que o homem mostra ser imagem de Deus. Na fórmula criacional registada em Gn 1,26 os três sinónimos com que se define o humano são: homem, imagem nossa (de Deus), poder.
  2. O Poderoso de Jacob é um título equivalente a um nome de Deus, particularmente associado às tradições do patriarca Jacob (cf. Gn 49,24). O voto expresso nos vv. seguintes não aparece explicitamente na Bíblia, mas os factos referidos correspondem ao que é relatado em 2Sm 6-7 (cf. 1Cr 13-17).
  3. A digna morada é o templo, cuja ideia se atribui a David e cuja construção coube ao seu filho Salomão (cf. 1Cr 28,1-19; 2Cr 1,18-5,1).
  4. Lit.: ela.
  5. As palavras dos vv. 6-10 são postas na boca dos israelitas, seja dos contemporâneos de David seja dos que em qualquer época assumiam em oração este salmo, revivendo o espírito dos acontecimentos referenciados, numa viagem simbólica no interior do território de Efrata, que incluía Belém, terra natal de David (Gn 35,19; Rt 4,11) e Jaar, também conhecida como Quiriat-Iarim. Deste modo se refazia a viagem da arca da aliança, dali até Jerusalém (cf. 1Sm 7,1s; 2Sm 6,3). A viagem simbólica começa com um convite dirigido ao Senhor (v. 8) para aceitar a transferência para Jerusalém.
  6. Lit.: não desvies a face do teu ungido. Este pedido é mais urgente se, depois do fim da primeira monarquia, se referir a uma personagem nova como Zorobabel, para quem se volta a reclamar a linhagem de David (cf. Esd 3,2; Ag 1,1s.6.21; Zc 4).
  7. Esta promessa a David vem mais amplamente relatada em Sl 89,28-38; 2Sm 7.
  8. Lit.: de salvação. Este revestimento é uma bênção de Deus. Quando no v. 9 se convidam os sacerdotes a revestirem-se de justiça é da responsabilidade e da iniciativa deles.
  9. Lit.: um chifre de David. Podendo significar riqueza e abundância, o termo qeren significa principalmente o poder. Em Zc 6,12, Zorobabel é designado como rebento ou gérmen, termo que é da mesma raiz aqui usada para significar germinar.
  10. A lâmpada é símbolo de vida e prosperidade (cf. Sl 18,29; 2Sm 14,7; Pr 24,20).
  11. A tradução dos LXX diz: o meu diadema, o qual também se enquadra bem no simbolismo da ideologia real.



Salmos

1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11   12   13   14   15   16   17   18   19   20   21   22   23   24   25   26   27   28   29   30   31   32   33   34   35   36   37   38   39   40   41   42   43   44   45   46   47   48   49   50   51   52   53   54   55   56   57   58   59   60   61   62   63   64   65   66   67   68   69   70   71   72   73   74   75   76   77   78   79   80   81   82   83   84   85   86   87   88   89   90   91   92   93   94   95   96   97   98   99   100   101   102   103   104   105   106   107   108   109   110   111   112   113   114   115   116   117   118   119   120   121   122   123   124   125   126   127   128   129   130   131   132   133   134   135   136   137   138   139   140   141   142   143   144   145   146   147   148   149   150