Mt 9

From Biblia: Os Quatro Evangelhos e os Salmos
Jump to: navigation, search

Perdão e cura de um paralítico (Mc 2,1-12; Lc 5,17-26) – 1Subindo para um barco, Ele atravessou para a outra margem e veio para a sua própria cidade[1]. 2E eis que lhe trouxeram um paralítico, deitado num catre. Jesus, ao ver a fé deles, disse ao paralítico: «Tem coragem, filho! Os teus pecados estão perdoados». 3E eis que alguns dos doutores da lei disseram entre si: «Este está a blasfemar!». 4Jesus, ao ver os seus pensamentos, disse: «Porque tendes tão maus pensamentos nos vossos corações? 5O que é pois mais fácil, dizer: "Os teus pecados estão perdoados", ou dizer: "Levanta-te e anda"? 6Mas para que saibais que o Filho do Homem tem, sobre a terra, autoridade para perdoar pecados:» – disse, então, ao paralítico – «Levanta-te, toma o teu catre e vai para a tua casa». 7E ele, levantando-se, foi para a sua casa. 8Ao verem isto, as multidões ficaram com medo e glorificaram Deus que dá aos homens uma tal autoridade.


Chamamento de Mateus. Os publicanos e pecadores (Mc 2,13-17; Lc 5,27-32) – 9Ao prosseguir dali, Jesus viu um homem, chamado Mateus[2], sentado no posto de cobrança de impostos, e disse-lhe: «Segue-me». E ele, levantando-se, seguiu-o[3].

10E aconteceu que, estando Ele reclinado à mesa, em casa, muitos publicanos e pecadores foram reclinar-se à mesa com Jesus e com os seus discípulos. 11Ao verem isto, os fariseus diziam aos discípulos dele: «Por que razão come o vosso Mestre com publicanos e pecadores?». 12Mas Ele, ouvindo, disse: «Não são os que têm saúde que precisam de médico, mas os que têm algum mal. 13Ide aprender o que significa: Quero misericórdia e não sacrifício[4]; pois não vim chamar os justos, mas os pecadores».


O jejum (Mc 2,18-20; Lc 5,33-35) – 14Vieram, então, ter com Ele os discípulos de João, dizendo: «Por que razão nós e os fariseus jejuamos muitas vezes, e os teus discípulos não jejuam?». 15Disse-lhes Jesus: «Poderão os convidados da boda[5] lamentar-se, enquanto o noivo está com eles? Mas dias virão em que o noivo lhes será tirado, e então hão de jejuar.


O velho e o novo (Mc 2,21s; Lc 5,36-38) – 16«Ninguém põe um remendo de tecido cru em veste velha, pois o acrescento novo repuxa a veste e o rasgão torna-se pior. 17Nem se deita vinho novo em odres velhos, senão os odres rompem-se, o vinho derrama-se no chão e os odres perdem-se; pelo contrário, põe-se vinho novo em odres novos, e ambos se conservam».


Cura da mulher que sofria de hemorragias e ressurreição de uma menina (Mc 5,21-43; Lc 8,40-56) – 18Enquanto Ele lhes falava, eis que um chefe[6] veio ajoelhar-se diante dele, dizendo: «A minha filha acaba de morrer, mas vem impor sobre ela a tua mão, e viverá». 19Jesus, levantando-se, seguiu-o, bem como os seus discípulos.

20Entretanto, eis que uma mulher, que há doze anos sofria de hemorragias, se aproximou por trás e tocou na franja da sua veste[7], 21pois dizia para consigo: «Se ao menos tocar a sua veste, ficarei salva». 22Jesus voltou-se e, ao vê-la, disse: «Tem coragem, filha, a tua fé te salvou». E a mulher ficou salva a partir daquela hora.

23Jesus, tendo chegado à casa do chefe, ao ver os tocadores de flauta e a multidão alvoroçada, 24dizia: «Retirai-vos, pois a menina não morreu, mas está a dormir». E riam-se dele. 25Depois de a multidão ter sido expulsa, Ele entrou, agarrou-lhe a mão, e a menina ergueu-se. 26E por toda aquela terra se divulgou esta notícia.


Cura de dois cegos – 27Ao prosseguir Jesus dali, seguiram-no dois cegos, que gritavam e diziam: «Tem misericórdia de nós, filho de David!»[8]. 28Ao chegar a casa, os cegos foram ter com Ele; e disse-lhes Jesus: «Acreditais que o posso fazer?». Disseram-lhe: «Sim, Senhor!». 29Tocou-lhes, então, nos olhos, dizendo: «Seja-vos feito segundo a vossa fé». 30E os olhos abriram-se-lhes. Jesus, porém, ordenou-lhes severamente, dizendo: «Vede bem: que ninguém o saiba!». 31Mas eles, ao sair, espalharam a fama de Jesus por toda aquela terra.


Cura de um endemoniado (Lc 11,14s) – 32Estavam eles a sair, e eis que lhe trouxeram um homem mudo endemoniado. 33E, expulso o demónio, o mudo falou. As multidões admiravam-se, dizendo: «Nunca se viu em Israel uma coisa assim!». 34Mas os fariseus diziam: «É pelo chefe dos demónios que expulsa os demónios!».


Os trabalhadores da seara (Mc 6,6.34; Lc 8,1; 10,2) – 35Jesus percorria todas as cidades e povoações, ensinando nas suas sinagogas, proclamando o evangelho do reino e curando toda a doença e toda a enfermidade[9]. 36Ao ver as multidões, compadeceu-se profundamente delas, porque estavam cansadas e abatidas como ovelhas que não têm pastor. 37Então disse aos seus discípulos: «A seara[10] é grande, mas os trabalhadores são poucos. 38Pedi, pois, ao Senhor da seara que mande trabalhadores para a sua seara».



  1. A sua cidade era Cafarnaum (Kēpher Nahûm), nas margens do Lago de Tiberíades.
  2. Mc e Lc chamam-lhe Levi, filho de Alfeu. O seu nome aparece nas listas dos apóstolos (10,3).
  3. Os publicanos eram funcionários do império romano para a cobrança dos impostos de mercadorias transportadas de uma província para outra. Na Palestina de então, havia dois postos fronteiriços: o de Cafarnaum, ao Norte, na passagem da Palestina para a Síria, e o de Jericó, ao Sul, na passagem para a Transjordânia. Os publicanos eram vistos pelos judeus ortodoxos como pecadores e gente impura pelo colaboracionismo com os romanos, por causa de alguns produtos transacionáveis e pelos abusos e injustiças nas cobranças dos impostos.
  4. Os 6,6.
  5. Lit.: os filhos do quarto nupcial ou os filhos da sala nupcial. Pode indicar quer os amigos do noivo, quer os convidados para as núpcias em sentido geral.
  6. Em Mt trata-se da cura da filha de um chefe. Em Mc 5,22, o pai da criança é apresentado como um dos chefes da sinagoga, de nome Jairo (cf. Lc 8,41). Sobre a mulher com o fluxo de sangue, cf. Lv 15,19-31. Jesus elimina o sistema estrutural da impureza legal, sobretudo quando ligado ao sangue.
  7. O fluxo de sangue menstrual, segundo Lv 25, tornava a mulher impura e também os que a tocassem.
  8. É a primeira vez que este título do Messias é aplicado a Jesus (15,22; 20,30s; 21,9.15).
  9. Trata-se de um sumário de Mt (cf. 4,23-25), que faz a transição entre a missão de Jesus e a dos apóstolos (cap.10).
  10. O grego therismós diz respeito ao ato de colher no tempo próprio e, por extensão de sentido, à própria seara.



Capítulos

Mt 1 Mt 2 Mt 3 Mt 4 Mt 5 Mt 6 Mt 7 Mt 8 Mt 9 Mt 10 Mt 11 Mt 12 Mt 13 Mt 14 Mt 15 Mt 16 Mt 17 Mt 18 Mt 19 Mt 20 Mt 21 Mt 22 Mt 23 Mt 24 Mt 25 Mt 26 Mt 27 Mt 28