Jo 21

From Biblia: Os Quatro Evangelhos e os Salmos
Jump to: navigation, search
EPÍLOGO
A PRESENÇA DO RESSUSCITADO
NA VIDA E NA MISSÃO DA IGREJA (21,1-23)


Aparição de Jesus junto ao mar de Tiberíades – 1Depois disto, Jesus manifestou-se de novo aos discípulos, junto ao mar de Tiberíades. Manifestou-se assim: 2estavam juntos Simão Pedro, Tomé, o chamado Dídimo[1], Natanael, de Caná da Galileia, os dois filhos de Zebedeu e outros dois dos seus discípulos[2]. 3Disse-lhes Simão Pedro: «Vou pescar». Disseram-lhe: «Também nós vamos contigo». Saíram e subiram para o barco, mas naquela noite não apanharam nada[3].

4Já ao surgir da manhã, Jesus estava de pé na margem, mas os discípulos não sabiam que era Jesus. 5Disse-lhes, então, Jesus: «Rapazes[4], tendes alguma coisa para comer?». Responderam-lhe: «Não». 6Mas Ele disse-lhes: «Lançai a rede para a parte direita do barco e encontrareis». Lançaram então; e já nem a conseguiam puxar[5], por causa da quantidade dos peixes.

7Então o discípulo, aquele que Jesus amava, disse a Pedro: «É o Senhor!». Quando Simão Pedro ouviu: «É o Senhor!», cingiu as vestes, pois estava nu, e lançou-se ao mar. 8Os outros discípulos foram no barco, arrastando a rede dos peixes, pois não estavam longe da terra, mas a cerca de duzentos cúbitos[6].


O Ressuscitado alimenta os discípulos – 9Quando desceram para terra, viram um braseiro, com peixe colocado em cima, e pão. 10Disse-lhes Jesus: «Trazei dos peixes que apanhastes agora». 11Então Simão Pedro subiu ao barco[7] e puxou a rede para terra, cheia de cento e cinquenta e três grandes peixes. E, apesar de serem tantos, a rede não se rompeu.

12Disse-lhes Jesus: «Vinde comer»[8]. Mas nenhum dos discípulos ousava perguntar-lhe: «Tu quem és?», sabendo que era o Senhor. 13Jesus veio[9], tomou o pão e deu-lho, e fez o mesmo com o peixe. 14Esta era já a terceira vez que Jesus se manifestava aos discípulos, depois de ressuscitar dos mortos.


Missão de Pedro e do Discípulo Amado – 15Depois de terem comido[10], disse Jesus a Simão Pedro: «Simão, filho de João, amas-me mais do que estes?». Disse-lhe: «Sim, Senhor, Tu sabes que sou teu amigo». Disse-lhe Ele: «Apascenta os meus cordeiros». 16Disse-lhe de novo, pela segunda vez: «Simão, filho de João, amas-me?». Disse-lhe: «Sim, Senhor, Tu sabes que sou teu amigo». Disse-lhe Jesus: «Pastoreia as minhas ovelhas». 17Disse-lhe pela terceira vez: «Simão, filho de João, és meu amigo?». Pedro entristeceu-se por Jesus lhe ter dito pela terceira vez[11]: «És meu amigo?» e disse-lhe: «Senhor, Tu sabes tudo; Tu sabes que sou teu amigo!». Disse-lhe Jesus: «Apascenta as minhas ovelhas. 18Amen, amen te digo: quando eras mais novo, a ti mesmo te vestias e andavas por onde querias; mas, quando envelheceres, estenderás as tuas mãos e outro te vestirá e levará para onde não queres». 19Disse isto assinalando com que género de morte Pedro glorificaria Deus. E, tendo dito isto, disse-lhe: «Segue-me»[12].

20Ao voltar-se, Pedro viu que o discípulo que Jesus amava o seguia[13], aquele que na ceia se reclinara sobre o seu peito e dissera: «Senhor, quem é o que te vai entregar?». 21Então Pedro, ao vê-lo, disse a Jesus: «Senhor, e que será dele?». 22Disse-lhe Jesus: «Se Eu quiser que ele permaneça até que Eu venha, que te importa? Tu segue-me!». 23Difundiu-se, então, entre os irmãos este dito: que aquele discípulo não morreria. Ora, Jesus não lhe disse que ele não morreria, mas sim: «Se Eu quiser que ele permaneça até que Eu venha[14], que te importa?».


SEGUNDA CONCLUSÃO
DO EVANGELHO
(21,24s)


24Este é o discípulo que dá testemunho destas coisas e que as escreveu[15], e sabemos que o seu testemunho é verdadeiro. 25Há, porém, ainda muitas outras coisas que Jesus fez, que se fossem escritas uma por uma, considero que nem o próprio mundo poderia conter os livros que se escreveriam.



  1. Cf. 11,16 nota.
  2. Ao todo são sete, número que significa totalidade: representam toda a Igreja, de cuja missão pastoral, orientada por Pedro, se vai falar (cf. Mt 4,18-22par.).
  3. Cf. Lc 5,4(ss).
  4. Ou Filhinhos. A pergunta, retórica, sublinha onde está o segredo de uma pesca (pastoral) bem sucedida: na obediência à palavra de Jesus.
  5. Lit.: já nem a conseguiam atrair: é o mesmo verbo hélkō de 12,32, onde Jesus prometera que, na sua morte e ressurreição, atrairia todos a si; por isso, as redes são atraídas para a margem, onde Ele se encontra.
  6. C. 100 metros.
  7. Ao barco é acrescento da tradução.
  8. Ou vinde almoçar, ou ainda vinde quebrar o jejum: no tempo de Jesus havia normalmente duas refeições, a primeira, a que se refere o texto, e o jantar. Tendo em conta os verbos e o texto seguinte, com um claro sabor eucarístico, este quebrar o jejum é também simbólico.
  9. O verbo vir causa estranheza, visto que Jesus já estava presente; talvez seja uma forma de invocar a sua vinda dominical, pois em 20,26 (cf. 20,19) é usado o mesmo verbo, especificando a vinda como eucarística.
  10. Cf. 21,12 nota.
  11. Cf. 18,27 nota.
  12. Jesus entrega a Pedro a missão de apascentar, mas recorda-lhe o fundamental: segui-lo, ser discípulo.
  13. O pronome o [seguia] é acrescento da tradução, que mantém a ambiguidade do grego sobre a quem é que o Discípulo Amado seguia: Jesus ou Pedro? Mais uma vez, parece intencional: o Discípulo Amado, seguindo Pedro, incumbido do ministério pastoral, está a seguir Jesus.
  14. De facto, ele permanece, no testemunho transmitido, agora conservado em livro.
  15. Escreveu no mesmo sentido causativo de 19,22: Pilatos não escreveu, mas fez escrever; o Discípulo Amado fez escrever, no sentido de estar na origem da tradição presente neste evangelho (cf. 13,23 nota).




Capítulos

Jo 1 Jo 2 Jo 3 Jo 4 Jo 5 Jo 6 Jo 7 Jo 8 Jo 9 Jo 10 Jo 11 Jo 12 Jo 13 Jo 14 Jo 15 Jo 16 Jo 17 Jo 18 Jo 19 Jo 20 Jo 21