Jo 2

From Biblia: Os Quatro Evangelhos e os Salmos
Jump to: navigation, search

Bodas de Caná. Princípio dos sinais – 1Ao terceiro dia houve uma boda em Caná da Galileia e a Mãe de Jesus estava lá[1]. 2Também Jesus e os seus discípulos foram chamados para a boda. 3Tendo faltado vinho, a Mãe de Jesus disse-lhe: «Não têm vinho». 4Disse-lhe Jesus: «Que há entre mim e ti, mulher[2]? Ainda não chegou a minha hora!»[3]. 5A sua Mãe disse aos serventes: «O que Ele vos disser, fazei-o».

6Ora, estavam ali colocadas seis talhas de pedra para a purificação dos judeus, cada uma com capacidade para duas ou três medidas[4]. 7Disse-lhes Jesus: «Enchei as talhas de água». E encheram-nas até cima. 8E disse-lhes: «Tirai agora e levai ao chefe de mesa». E eles levaram. 9Quando o chefe de mesa provou a água tornada vinho – ele não sabia de onde era, mas sabiam os serventes, que tinham tirado a água –, o chefe de mesa chamou o noivo 10e disse-lhe: «Todos[5] põem primeiro o vinho bom e, quando estão embriagados, o inferior. Tu guardaste o vinho bom até agora!».

11Foi este o princípio dos sinais[6] que Jesus realizou em Caná da Galileia; manifestou a sua glória e os seus discípulos acreditaram nele.

12Depois disto desceu para Cafarnaum, Ele, a sua Mãe, os seus irmãos e os seus discípulos, mas não permaneceram ali muitos dias.


II
Peregrinação para a primeira Páscoa
(2,13-4,54)


Expulsão dos vendedores e dos animais do templo (Mt 21,12s; Mc 11,15-17; Lc 19,45s) – 13Estava próxima a Páscoa dos judeus, e Jesus subiu a Jerusalém.

14Encontrou no templo os vendedores de bois, ovelhas e pombas e os cambistas sentados. 15Então, depois de fazer um chicote de cordas, expulsou todos do templo, e também as ovelhas e os bois; deitou por terra o dinheiro dos cambistas e derrubou-lhes as mesas; 16e disse aos vendedores das pombas: «Tirai isto daqui! Não façais da casa do meu Pai casa de comércio!»[7]. 17Recordaram-se os seus discípulos do que está escrito: O zelo pela tua casa devorar-me-á[8].


Primeiro anúncio da morte e ressurreição de Jesus – 18Responderam-lhe, então, os judeus e disseram-lhe: «Que sinal nos mostras para fazeres estas coisas?». 19Respondeu Jesus e disse-lhes: «Destruí este templo, e em três dias o levantarei». 20Disseram-lhe, então, os judeus: «Este templo foi edificado em quarenta e seis anos, e Tu em três dias o levantarás?». 21Ele, porém, falava acerca do templo do seu corpo. 22Por isso, quando ressuscitou dos mortos[9], os seus discípulos recordaram-se de que tinha dito isto e acreditaram na Escritura e na palavra que Jesus dissera.

23Enquanto Ele estava em Jerusalém, durante a festa da Páscoa, muitos acreditaram no seu nome[10], ao verem os sinais que Ele realizava. 24Porém, o próprio Jesus não acreditava neles, por os conhecer a todos 25e porque não tinha necessidade de que alguém lhe desse testemunho acerca do homem, pois Ele conhecia o que havia no homem.



  1. O episódio tem carácter programático e abre a secção que vai até 4,46-54. Está cheio de evocações messiânicas: bodas, banquete, vinho abundante e de qualidade única. A Mãe de Jesus surge também com um papel simbólico: representa o Israel fiel, que espera e acolhe o messias. Por isso é apresentada em primeiro lugar e Jesus trata-a por Mulher (como em 19,26). Do lado oposto, estão os chefes religiosos, representados pelo chefe de mesa que devia ter preparado tudo e é o único a não se aperceber de onde vem o vinho.
  2. Pergunta retórica. É que, de facto, há algo entre os dois, como se vê logo a seguir na atitude de ambos: a Mãe orienta os servos com as mesmas palavras com que o povo de Israel sela a aliança do Sinai (Ex 24,3.7), e Jesus antecipa a manifestação da sua glória, que acontecerá na hora (a da morte e ressurreição), na qual se selará a nova aliança. Os encontros de Jesus, até 4,54, explicitam os destinatários desta aliança: judeus ortodoxos (3,1-21), samaritanos (4,1-42) e pagãos (4,46-54), o que possivelmente reflete a composição da comunidade na qual este evangelho tem a sua origem e à qual se destina.
  3. Esta hora é anunciada, na primeira parte, como ainda não chegada e, na segunda, como chegada (7,30; 8,20; 12,23.27; 13,1; 17,1).
  4. Como cada medida levava aproximadamente 40 litros, no total eram c. 600. No pensamento bíblico, o número seis é imperfeito (por contraposição ao sete, que significa plenitude); trata-se do dom da Lei (significada nas talhas e na água para os rituais de purificação) que espera um dom superior e pleno: Jesus. Entre a água (Lei) e o vinho da nova aliança (Messias) há continuidade, mas também descontinuidade: o dom dado em Jesus é imensamente maior do que o oferecido através da Lei de Moisés (cf. 1,17; 3,14s; 6,58).
  5. Lit.: Todo o homem.
  6. Sinal é o termo usado por Jo para referir o que nos Sinópticos se chama ação poderosa (dýnamis) e, correntemente, milagre. O termo sinal aponta para outra realidade só acessível pela fé.
  7. Sem animais já não pode haver culto. O culto antigo cessou; no templo apenas fica o Cordeiro de Deus (1,25.36). Além disso, Jesus revela-se ainda como o verdadeiro templo da presença do Pai (2,19-22; 1,14), de onde brota a água escatológica (7,37-39; 19,34): nele e por Ele se dará o culto em espírito e verdade (4,21s; cf. 9,38).
  8. Sl 69,10.
  9. Lit. foi levantado dos mortos: o mesmo verbo usado nos vv. 19s, mas aqui no passivo teológico.
  10. Sobre acreditar no nome, cf. 1,12 nota.




Capítulos

Jo 1 Jo 2 Jo 3 Jo 4 Jo 5 Jo 6 Jo 7 Jo 8 Jo 9 Jo 10 Jo 11 Jo 12 Jo 13 Jo 14 Jo 15 Jo 16 Jo 17 Jo 18 Jo 19 Jo 20 Jo 21